terça-feira, abril 03, 2007

Respondendo à Flávia Melissa




por Felipe Iubel
(que nem sabe que eu estou publicando isso)


"No último dia de março, a porta se abriu preguiçosa. As dobradiças rangeram alto e espalharam som e luz pela casa. Entrou também o calor atípico de um início de outono que marcaria o lugar e seus habitantes. Porém, essa simples palavra, “habitantes”, não poderia jamais resumir nem aquelas, nem esta historia.
Os dois eram muito mais do que isso. Eram transeuntes efêmeros e inconstantes, aprisionados em sonhos inebriantes de terras imaginárias. Verdadeiros artífices das letras, genuinamente apaixonados pela intensidade das frases que escapavam nas folhas de papel.

Era o último dia do mês de março, é verdade. Mês que fechou o verão do ano ímpar e os trouxe de volta. Quando as dobradiças terminaram de ranger, as folhas de papel amareladas e em branco voaram espalharam alegria e renovação pela casa que tantas idéias viu passar.
Um entrou logo em seguida do outro. Sem que ninguém, nem mesmo eles, soubessem que estavam ali. Borboletas também entraram pela janela.
Tudo isso no último dia do mês de março."

Respondido?

5 comentários:

flavia melissa disse...

a idéia de uma porta que se fecha para nunca mais se abrir era, em si, a mais angustiante de todas.

enquanto ela andava pelo caminho íngreme que levava até o lago, lá embaixo, todo ladeado por pedrinhas pequeninas de todos os formatos, pensava na quantidade de óleo que seria necessária para que as dobradiças não rangessem mais.

a brisa suave nos cabelos fez com que algumas borboletas, que sempre a acompanhavam, se enroscassem em um ou outro fio dourado de cabelo, mas ela não ligou, por que a simples presença de suas coloridas asas já traziam de volta a certeza de que as folhas amareladas voltariam a estampar as miúdas letrinhas que tantas cartas, trocadas entre eles por anos a fio, haviam preenchido.

e a presença dele ao seu lado, os dedos entrelaçados e a sensação de borboletas no estômago... eram uma simples questão de tempo.

ps _ suas palavras (ou as de felipe, que se façam suas) cantam e me encantam.

Felipe Belão Iubel disse...

eu já disse que nao precisa nem pedir.
é um honra aparecer por aqui por várias razões:
1) pela dona do blog que eu admiro;
2) pelo blog que faz o meu parecer um quarto de criança bagunceira e sem noção estética;
3) pelas pessoas inteligentes que passam por aqui para ler o que é postado.

adoro...

by
Felipe Belão Iubel que não consegue colocar o nome no comentário
=(
http://falamestre.spaces.live.com/

flavia melissa disse...

felipe, também não consigo postar comentário no seu blog, mas vivo passando por aí!

mercedes, desculpa fazer do seu blog sala de bate-papo, mas já fazendo...

mercedes disse...

Flavia e Felipe

O que eu mais sinto falta do TPM era o comment-chat! ADORO!
Puxa uma cadeira e fica a vontade. Só não pode colocar o pé na mesa!


Beijo

Marília disse...

Muito bom isso aqui hoje heim!!!