terça-feira, julho 13, 2010

_fogo

.
ela vira de lado fingindo dormir 
mas não há vestígio de sono em qualquer orifício de seu corpo
queria apagar
mas a carne dói uma dor que é forte
domina a sanidade
leva embora o sossego
embrulha o estômago. 

ela abraça o travesseiro extra como se fosse a última pedra antes da cachoeira
é vertiginosa a queda quando o desejo não cede
é sangrento o tombo quando a lucidez é frágil

a cada fechar de olhos uma imagem mais dura
as mãos dele em outro corpo
a boca dele em outra pele
o sorriso dele em outros olhos

encolhe as pernas então
esconde a cabeça no edredon
guarda o gosto dele no fundo morno da boca
procura a última lembrança
                                  ...as luzes
                                  ...a madeira fria nas pernas
                                  ...o toque liso na língua

a cama
em chamas
a consome

.

5 comentários:

chicossaurusrex disse...

Por mais que o texto seja de cunho fantasioso,a nele uma mensagem real e cotidiana!!!o sentimento da perda e separação do ser amado nunca é visto com bons olhos.Lidar com a perda é angustioso e constrangedor,e a solidão na noite pode alimentar a dose de sofrimento,resta apenas a lembrança tênue do ultimo enlace amoroso, o sabor do beijo que vem aos lábios e então o pranto jocoso e desenfreado!Até que um dia você apaixone-se novamente e o ciclo vital do amor continue !!! Meus parabéns,um texto maravilho e de certa forma muito instrutivo !!! bjusss do CHICO PRA TI QUERIDA !!!

Edilene Ruth disse...

Uau!!!!
Sempre intenso!!
Beijão, Edilene

Felipe "Tito" Belão disse...

! exclamação !

Anônimo disse...

#subindopelasparedesfeelings

Marcos Freitas disse...

uou!