quinta-feira, janeiro 17, 2008

Mil e Vinte e Seis Beijos

você era lindo. quase um poema.
os olhos azuis, a pele clara, os lábios perfeitos.
era um mistério.
indecifrável desejo meu.

lembra quando você encostava na parede da sua sala ?
lembra seu jeito, seus movimentos, seu olhar?
(não era você deitado, em lençóis brancos, se espreguiçando e querendo beijar?)
lembra como eu olhava para a sua boca?
será que você via? será que percebia o meu constrangimento, o meu medo,
a minha vontade?
seus lábios perfeitos olhavam pra mim e diziam coisas que você nunca disse.
seu olhar era imã e atraía o meu medo.
eu tinha medo de querer.

o tempo passou e não havia mais paredes. só eu e a sua janela.
lembra aquele chocolate?
era um beijo.
lembra aquele restaurante, toda aquela gente, a sua mão na minha perna embaixo da mesa?
era um beijo.
lembra das visitas? do meu sorriso?
eram beijos.
lembra dos abraços?
eram beijos.

e dos beijos no carro?
o vidro embaçado, o gosto, o hálito, as horas?
não foi quase nada, ainda tanto,
há tanto tempo...
com o tempo a distância e com ela esse jeito de lembrar de você:
sempre perto do meu peito, sempre acima do tempo e de tudo.
mais que um desejo ou um amigo, mais que uma lembrança qualquer.

você era lindo...quase um poema.
ainda é.





*lembra: toda palavra escrita é um beijo.




4 comentários:

Pati Castilho disse...

Quem procura, acha...vc é danada...Bjs

Anônimo disse...

eu? hahahaha!
eu só contei a história...

:)

Me

Alice Salles disse...

amei, você era lindo... quase um poema. ainda é!

quase tudo pela metade é todo quando é lembrado assim...

Anônimo disse...

Oi meu nome é Theo,sou aqui do
Rio.

Lindo seu texto...
parabéns.