terça-feira, novembro 14, 2006

About blur

Há muito tempo eu não fico triste. Muito! Meses. Nem sei quantos.
Ontem mesmo eu postei em outro blog dizendo que faz tempo que ando com um sorriso constante no rosto.
Eu já disse tanto isso, mas posso repetir: eu sou uma pessoa feliz por natureza. Qualquer prazer me diverte, eu vivo uma vida boa e plena.; eu tenho alegrias enormes e milhares de motivos para ser feliz; eu sinto coisas intensas, minha vida parece uma novela, a maneira que eu vejo os acontecimentos é divertida e quase lúdica. Resumo: sou uma débil mental irresponsável porque toda criança é feliz.

Mas hoje uma estranha núvem negra desceu aqui sobre a minha cabecinha doente. Uma nuvem com gosto de um passado sombrio - um tempo que eu não sinto falta...acontecimentos inexplicáveis...coisas fora de controle. Dor. Muita dor.
Por anos eu não entendi e não me conformei com os acontecimentos daquela época. Foi como se de um dia para o outro me tirassem o chão. Hoje estou em terra firme, amanhã não sei onde estou.

Então tudo o que é lindo hoje desaparece por completo amanhã?
Pra onde vão os sonhos que se perdem?
Pra onde vão os desejos que não se realizam?
Existe um depósito deles em algum lugar?
Quem guarda a porta do depósito?
Eu imagino uma pessoa muito triste, sentada perto da porta num caixote de madeira neste porão imenso de caixas perdidas e velhas - como o porão de um navio fantasma. As caixas têm nomes apagados para que se percam para sempre. O navio vaga num vazio imenso por séculos e séculos...mas ninguém sabe quem o comanda. E lá vai o navio das esperanças perdidas...

Ai ai ai...o bom disso tudo é que assim como eu fico tão triste e choro mais que os olhos, eu fico feliz amanhã por qualquer coisa boba, tipo encontrar uma manga cortada na mesa do café da manhã. Porque eu vou contar um segredo pra quem ainda não sabe: eu sou tão absurdamente intensa...tão profundamente exagerada...tão excessivamente tudo, que um dia me basta para sentir toda a tristeza do mundo. E é pesada a tristeza do mundo.

Só hoje. Só um pouco, eu quero silêncio.
Não há história que eu possa contar.
Não há nada que vá me fazer sorrir.
Mas passa assim que alguma coisa colorida passar na minha janela.


Morning, kids.

5 comentários:

Paola Zadra disse...

Hey Beautiful,

É então que um mistério em seu peito, faz triste a sua alma...

Nestes dias a melhor coisa é deixar o coração vigilante batendo no compasso, e sonhando.

Mas, se a sua tristeza passa assim que alguma coisa colorida passar na sua janela, se coloque em frente a ela. (Pode até puxar um sofá se quiser, p/ ficar mais confortável).

Divida essa tristeza ouvindo um CD.
Com músicas que nos fazem acreditar que a vida flui em cascatas deliciosas de sorrisos.

Vc possui todos os sorrisos, onde "borboletas vaidosas" fazem cócegas na sua alma.

Com seu corpo todo ouvindo, tenho certeza que sua imagem a janela estará exageradamente colorida.

A brisa de uma música perfumada, muitas vezes acalma nossa mente, nosso coração e nossa alma!!!

Lv Lv Lv Lv

Paola disse...

Ei, já sei...

Pega aquela caixa de madeira que vc ganhou de aniversário de uma louca, exagerada, esquisofrênica,e que aliás é parecidíssima com vc... a "CAIXA DA SUPER-AMIGA-MÃE" e olha tudo que vc guardou lá...

E olha todos os detalhes desta caixa. Como ela foi feita. Porque. Quando. Cada pedacinho dela tem um sentimento...

E esta caixa, não estará no porão imenso de caixas perdidas e velhas - como o porão de um navio fantasma.

Esta terá identidade e digital!!!

Bjucassssssssss

Marília disse...

Nada de silencio...vou te ligar agora.

Mercedes Gameiro disse...

Ta tudo bem. Não aconteceu nada.
Relaxem...

PASSOU!

Beijos

Paola Zadra disse...

Sabe o que é pior Marília... Eu liguei e ela não me atendeu!!!

blurrrrrrrrrrrrrrrr