sexta-feira, março 12, 2010

_pensamentos negros

Linda Hamilton - Sarah Connor em Terminator II

Eu tenho pensamentos obscuros. Dark mesmo.
Fora meus sonhos acordada e meus delírios sobre histórias de amor com final feliz, cheias de romance e frases que ninguém ousaria dizer, um lado da minha mente é dark as dark can be.

Nos momentos dark eu penso em assassinatos horrorosos, em quase sequestros, enchentes, vendavais, traço planos completos de sobrevivência, penso nas coisas que eu devia estar aprendendo enquanto da tempo. Depois passa. Depois eu respiro fundo e solto o ar pronunciando a frase: "credo que horror!", e passa. Mas não posso dizer que isso só acontece às vezes. Isso acontece muito.
A primeira vez que me assustei com a minha cabeça foi quando estava escrevendo uma história para um roteiro e resolvi tomar um Red Bull de madrugada. Uma porta se abriu e eu disparei a escrever uma sequência que jamais pensei que fosse capaz. Toda uma tática de assalto, violência, bandidos falando com uma realidade que não sei de onde tirei, tiroteio, carcereiro morto, uma fuga fenomenal de uma delegacia, com um plano perfeito, na noite do ataque do PCC.
Quando terminei, foi como se a entidade tivesse ido embora. Li as 30 páginas, de cabelo em pé, assustada com o que havia saído da minha cabeça.
Mas isso não era tão novo. Eu sempre tive visões assustadoras.
De um tempo para cá eu penso no fim do mundo e no que a gente deveria saber para sobreviver a ele. Não que eu acredite que o mundo vai acabar como dizem os profetas do fim, mas anyway...

Em primeiro lugar, preciso aprender a fazer fogo sem meu zippo ou uma caixa de fósforo por perto. Eu já sou a pessoa que faz fogo na minha casa, mas ainda tenho dificuldade com a ausência de pólvora ou combustível. Segundo, preciso ter uma arma. Ou "umas". Não vai ser fácil sobreviver a todas as pessoas que vão querer roubar o que a gente tem...as pessoas vão matar por uma caixa de fósforos ou uma lata de salsicha. Ou bem pior: por sexo. Essa é uma das partes que me apavora...penso em como proteger a minha filha, e meu estômago revira quinze vezes em meio segundo, só por admitir que o pensamento passe de raspão por mim.
Também preciso proteger o meu marido dele mesmo, porque ele é criança de apartamento e não sabe nada da vida sem o conforto da tecnologia, sem falar nas aulas de física que ele matou na adolescência e hoje fazem falta em situações simples como passar uma mesa por uma porta, ou acreditar que um secador de cabelo ligado numa banheira cheia possa matar alguém. (Desculpa amor, não resisti.)

Então... fogo e armas. Preciso aprender a caçar e descarnar um animal. Saber que bicho pode me matar e qual pode ser comido. Que plantas são venenosas e quais podem me curar de alguma nhaca. O que pode substituir um antibiótico? e um antinflamatório?
Preciso de um carro de verdade. De verdade, leia-se um carro mecânico, sem perfumarias eletrônicas, sem computador de bordo, sem frescuras de segurança. Um carro que funcione mesmo que tenha um cabide de lavanderia no lugar do cabo do acelerador. Que não páre quando o airbag estoura. Que ande com gasolina, etanol, caldo de cana, whisky, elixir paregórico.
E preciso de uma bússola, um mapa impermeável, um tênis que dure pra sempre, um binóculo que funcione decentemente e não pese cinco quilos. Preciso de uma pá.

E eu sei onde me esconder se alguém chegar na minha casa hoje. Tem um lugar para enchente, um para ameaças humanas, um para proteção temporária...E na casa que eu estou construindo tem um mini bunker. Claro que não foi construído para isso, mas dá para passar uns dias.
Eu sei...isso é loucura. Será?
Há séculos alguém inventou a chave, a arma, a polícia, e a gente sabe que deve trancar a casa antes de dormir. Todo mundo tem portão e guarda noturno. Mas a questão é que onde eu moro as casas não têm muros nem portões. A maioria tem zero segurança, confiando na portaria cheia de meganhas armados, câmeras de segurança, rádios e carros de ronda. Mas e se um dia dá uma caca generalizada? Ninguém está mais ao deus dará do que nós, pessoas dentro dos condomínios, sem trancas e sem grades nas janelas.
O que eu sei é que esses pensamentos me incomodam e, mesmo ponderando, a única frase que me passa pela cabeça quando avalio tudo e me acho louca, é: Noé construiu a arca ANTES da chuva.
Pois é. Não custa...
Sei lá.

12 comentários:

Rafa Pedro disse...

Meu Deus! Posso ir morar na sua casa? ou perto de você?
Com certeza não pensei em metade das situações...
Espera: secador ligado + banheira = nada? Jura? Fugi da escola tb...
Enfim, tô indo pra sua casa hj mesmo. Fica tranquila que meu carro é flex, não é automático e meu marido entende bastante de mecânica. Ajuda?
E se precisar levo meu Rottweiler, ele é dócil com meus amigos, e tem um faro maravilhoso para pessoas de caráter duvidoso.

Nem preciso dizer que o texto tá ótimo, né?

bjs

Anônimo disse...

Hahaha! Oba vem! O Dedé é um marido bem mais útil pro fim do mundo e se duvidar ele sabe até fazer fogo de pauzinho. ha!
E Rafaela...pelo amor de deus, nunca deixa nenhum aparelho elétrico ligado perto de uma banheira/pia com água. Você PODE morrer eletrecutada. A água é condutor de eletricidade, lembra?
Hello!?
Traz o cachorro!

Beijoca

Me

Mercedes Gameiro disse...

Hey! Eu disse que ele tem DIFICULDADE EM ACREDITAR QUE o secador mate alguém.

Claro que mata RAFA!

Alice Salles disse...

GOD! Mas isso ta mais neurótico que EU! hahaha

Alice Salles disse...

Agora é fato, antes neurótica que levando a vida como se fosse um folhinha ao vento, coisa chata ser folha ao vento... Neuróticos unidos!

Anônimo disse...

oh lord! ...i'm wordless...

ok, hmmm... real darkness here!

(quase um século se passou entre as 2 frases acima e, depois disso já escrevi e re-escrevi diversos comentários pra tentar expressar o que senti... e apaguei todos... mas olrait lesgou, preciso falar)

sou seu fan, ponto!
mas não me odeie pelo vou dizer:

tirando as qualidades literárias, humorísticas e estilísticas (i.e. as boas gags, "pensamentos tortos" à la Mercedes e, etc, etc, etc...) eu teria muita vergonha do que foi dito, e só publicaria isso saído da boca de uma personagem!

pronto falei! heheheh ...sorry honey mas penso mesmo isso, ok?

vê isso...
http://www.trilulilu.ro/lastexit/dd15d78f8af686

beijos
m.

Anônimo disse...

Não vou te odiar...vou só te dizer que minhas investidas literárias têm deixado muito a desejar.
Não penso...não consigo pensar, então quando penso em ALGUMA coisa...escrevo.
Mesmo que seja vergonhoso. Mesmo que seja ridículo. E publico pra rir desta fase depois.

Você sabe que eu sou desavergonhada.
Já se foi o tempo que eu me censurava de alguma forma. hahahhaa.

Beijos

Me

Anônimo disse...

Mas Marcos...

Explica. Você teria vergonha de qual parte?

De assumir que tem medo? De contar que é aterrorizado por pensamentos sobre como a violência urbana pode interferir na sua vida e te forçar a ver ou sentir coisas horrorosas que só de pensar dão um nó no estômago? (Colocaram uma arma na cabeça do meu filho...e eu te digo que em segundos passaram pela minha todas as coisas que eu não queria que ele sofresse. Isso é horrível!)

De dizer abertamente que teme pelos seus filhos e pedir a Deus - ou seja la a quem for - que nunca permita que eles sofram de forma tão horrenda?

Ou de assumir publicamente que se estivéssemos num cenário pós apocalíptico suas chances de sobreviver e proteger sua família seria ínfima?

Vivendo num outro mundo, eu seria louca por pensar ou dizer isso. Abrindo os jornais todos os dias, eu sou um anjo de normal.

Mas explica...quero saber.

beijo

marcos freitas disse...

ahahahahah ...nooooo! nada disso!
(vishhh... isso vai ficar maior que o post itself ahahaha)

e... mandei o link errado! (embora eu adore o "architects of control" e ele tenha muito a ver com o que pensei depois de ler seu post! o certo é o: "2012 - the future of mankind" abaixo:

http://video.google.com/videoplay?docid=-8545585184878490822&ei=AZifS4GZA4WUqwLglaiBBw&q=michael+tsarion&hl=pt-BR&emb=1#

(que vale cada segundo das 3:30hs!)

1- suas investidas literárias não estão deixando nada a desejar! quequiéisso! você segue brilliant as always!!! come on...

2- quem nasceu "around the 60's" já adquiriu o direito de ser "desavergonhado(a)" e de parar de de se censurar, especialmente pra falar o que pensa!

3- querer o melhor e temer pela segurança dos filhos, amores, queridos, etc... não é nada além do "normal", talvez devesse ser até o "obrigatório" (pois que nem sempre é) e, jamais motivo de vergonha !!!
3.a.- ...e por via das dúvidas já ensinei meus dois filhos a acender um fogo sem zippo e sem fósforos (well, esfregando pauzinhos é bem complicado mas, thanks internet, um índio canadense me deu dicas maravilhosas e desde então, até mesmo esfregando madeiras consigo produzir fogo! ahá!)

oops! "Seu HTML não pode ser aceito: Must be at most 4,096 characters" então: end of part 1

marcos freitas disse...

part 2

4- no próprio comentário você me lembrou qual é a questão: "Abrindo os jornais todos os dias, eu sou um anjo de normal." ...desse "normal" é que eu teria vergonha! ...de entrar na onda do medo, das supostas "certezas de perigo", de consumir supostas "seguranças" e "garantias" e "tranqüilidades compráveis" ...vergonha de ser um ser humano (que, lembra?, é um animal! hehehe) e estar tão afastado da natureza (nosso verdadeiro habitat desde sempre) que a simples idéia de ter que "limpar" um peixe, descarnar um bicho, caçar, reconhecer plantas, saber suas qualidades, etc... parece requerer um manual! OH NO, PLEASE! todo esse conhecimento já está em nós, e nos nossos pares, ...pescadores, caçadores, agricultores e, "selvagens" em geral têm todo esse conhecimento, basta estar por perto ou, melhor ainda, nunca deixar de "ser um selvagem" que, afinal, sabemos ser lá no mais profundo inner do self!

...sei que o mundo anda muito "do mal", ...mas também sei que esse mal e toda a violência advinda dele é algo programado e estimulado pelas mesmas pessoas que têm interesse nesse medo generalizado, na falta de humanidade no próprio ser humano, no medo do natural e da natureza (meu ex-cunhado, certa vez, se recusou a tomar um suco que fiz com pitangas colhidas da pitangueira que tem no quintal da casa... como se uma coisa que não é comprada, não teve embalagem, não tem marca, brandless, não foi pasteurizado, etc... não fosse "adequado ao consumo humano"!!!!!)
justo você que sempre gostou tanto de andar descalça, vem falar em tenis eterno, armas ou whatever... ah vá! carro hiperflex? ...já temos bicicletas, foda-se a Shell, foda-se a BP!

and the great shame of all comes from: "Há séculos alguém inventou a chave, a arma, a polícia, e a gente sabe que deve trancar a casa antes de dormir. Todo mundo tem portão e guarda noturno." ...pois quando isso não saiu da boca de uma personagem, imho, significa que VOCÊ não tá enxergando "the big picture" ...que está opinando e versando sobre as conseqüências e os remendos sem enxergar as causas e os sonetos! that's it!

mas... whatever... ahahaha A VIDA É ISSO MESMO!

só porque me veio à cabeça: no "ensaio sobre a cegueira" do Saramago a minha (e acho que deveria ser a de todos) identificação é com a mulher que continua a enxergar! e essa é a metáfora mais perfeita da situação em que vivo pelo mundo! however, sempre encontro outras "mulheres que continuam a enxergar" em meio à cegueira generalizada! ...e é com "elas" que consigo conviver e encontrar interlocutores! ;)

enfim, isso tudo pra dizer que minha alma é meu bunker!, minha capacidade de comunicação é minha segurança, minhas portas e janelas estão sempre abertas (literalmente) pois acho mais fácil e agradável viver assim!

espero ter respondido!

beijos
m.

p.s. AHAHAHAHAAH acho que isso tudo é só saudade de você! hehehe

p.p.s. não vou nem reler, se não apago tudo e não (co)respondo (e espero que haja alguma coerência no que escrevi! ahahahah)

Anônimo disse...

Marquito, Marquito, Marquito.

Eu concordo...filosoficamente. Mas infelizmente estou falando de vida prática.
Eu tenho na alma o meu bunker e você me conhece bem o suficiente para saber disso. Talvez esse tenha sido o seu susto: me conhecer tanto e ler isso.

Mas existe uma coisa DE FATO e outra, linda, filosófica.
O animal que eu guardo no inner do meu self não é bom em defesa pessoal e talvez não possa lidar com 4 negões (não no sentido da cor - seus chatos politicamente corretos - mas no sentido do tamanho) armados que estejam festejando a súbida igualdade coletiva causada por uma catástrofe como, por exemplo, o terremoto do Chile, e entrem para saquear, estuprar, se apoderar. Neste país, os menos afortunados têm raiva...não esqueça.

Sorry...por mais que eu seja uma "mulher que enxerga", eu sou ainda uma mulher incapaz de um soco e desarmada (até porque - aí vem outro susto - armada eu sou boa) que vai mandar seu inner animal calar a boca e não reagir, tentar negociar mas sem insistir, etc etc...
Não foram os criadores do medo que fizeram com que dezenas de mulheres fosses estupradas durante o apagão geral causado pelo Catrina pós enchente, em New Orleans.
Também não foram inventados os saques e assassinatos no Chile pós terremoto. Chama-se desespero coletivo, Marquito...e ele é feroz.
É dele que eu estou falando.

Quanto ao meu carro flex...to falando de um Jipão mesmo. De novo, sou uma mulher "que enxerga" que enxerga o bastante para saber que aos 50 anos e com esse corpinho tratado a coca-light, não tem pernas para subir uma ladeira de bicicleta. Muito menos para carregar seus feridos. Tendeu?

Você respondeu, e com eloquência, mas vamos combinar que foi mais eloquência filosófica do que prática. De qualquer forma você é um handyman, muito mais do que eu. Adoro andar descalça mas não posso me cortar e pegar uma infecção em ruas pós apocalípticas...preciso de um tênis que dure para sempre. Marquito...eu não tenho sangue de índio. Minha pele é um cocô de clara e fina e meu peraro físico é tão ridículo quanto ela. Não dá, filho...fica lindo no papel.
:)

Beijoca

Me

Anônimo disse...

Ai ai ai eu devia reler as coisas:

"suas chances SERIA ÍNFIMA? Ai meldels!

e que tal PEPARO físico.

Ok...você entendeu. hahaah! Beijo