sexta-feira, maio 16, 2008

Três - aperitivo

Três são:
.1. Nani Gaya, uma brasileira em dúvida.
.2. Mitch Adams, um americano apaixonado
.3. John McAlister, um escocês cafajeste

...


Ai ai ai! Não dava pra ficar quieta num canto e não ficar zanzando por aí pra beijar o primeiro escocês meio baixo que aparece? Meu deus!

A Nani já não tinha idade para se colocar nesse tipo de situação. Já era hora dela saber se virar para escapar de cantadas fáceis e super-mac-olhares. Mas ao contrário do que se esperava de uma mulher vivida, madura, resolvida, ela estava agindo como uma adolescente boba num baile de debutante; encantada com o menino do outro clube. Isso não combina em nada com todo aquele bla bla bla do primeiro capítulo que descrevia essa criatura.

Só tinha um jeito de saber o que passava por aquela cabeça. Lá vai:


Cérebro de Nani, fundo escuro, duas cadeiras. Na cadeira da esquerda, nós. Sim, nós...que queremos saber o que se passa aqui dentro. Na cadeira da direita, Nani.

- Oi, nós somos os espectadores da sua história, e precisamos entender o que acontece.

- Oi... O que vocês estão fazendo aqui?

- Já disse. A gente quer entender.

- Mas eu estou no meio de uma festa...

- A gente sabe. Vai ser rapidinho. Só responde umas perguntas pra nós.

- Ta. Vai rápido.

- Seu nome, por favor?

- Eliane Ferreira Gaya, vocês sabem!

- Por que você, tendo encontrado o homem mais deliciosamente encantador do mundo, desejado por milhares de mulheres e homens de várias idades, com todo aquele discurso de vida tranqüila, nada que interfira nos negócios, namorar eternamente, etc, etc, resolveu olhar pro McAlister?

- Como assim? Eu não RESOLVI olhar pro McAlister. Ele apareceu!

- Calma...a gente não está aqui pra te julgar, muito pelo contrário.

- Tá, eu sei que foi errado. Eu podia ter cortado ele antes, era só não dar aquele primeiro sorriso na hora do quase-tombo.

- É. Você tinha essa opção.

- Tinha. Mas você viu? Você olhou dentro do olho daquela coisa? E a mão...? Quer a minha cintura emprestado pra sentir "a mão" ?

- Não não...Mas qualquer pessoa perguntaria se você sente ou não alguma coisa pelo Mitch.

- Claro que eu sinto. Eu estou completamente envolvida e...

- Envolvida é mais raso do que apaixonada.

- Não.

- É sim. Você se envolve num projeto. Mas você se apaixona por uma idéia e não desiste dela. Envolvimento é bem menos do que paixão.

- Onde vocês querem chegar?

- Em lugar nenhum. Só especulando. O que você quer de verdade?

- Eu quero o Mitch, claro...mas...

- Mas?

- Eu sempre tive esse defeito.

- Qual?

- Eu sempre estou feliz. Sempre e nunca. Eu tenho sempre a cabeça em outro lugar. Tudo. Sempre. Tudo o que eu faço é assim...tenho sempre um sonho guardado, um outro plano, mas não um plano B. Não é pra realizar...é só pra sonhar. E eu achei que estava curada disso...desde pequena, sempre assim. Fazia balet mas queria ser cantora, fazia canto mas queria ser atriz. Namorava o fulano, mas sonhava com o outro...e assim vai.

- entendo...

- Entende? Então me explica! E se você cavocar essas paredes aqui, vai descobrir que eu nunca fui totalmente feliz, embora fosse, nunca fiquei totalmente satisfeita, nunca estive onde queria, e se estivesse ia querer estar em algum outro lugar. Entende ainda?

- Não.

- Bem vindo ao clube.

- E agora?

- Ué...sei lá! Você não disse que vocês são espectadores da minha história?

- Sim.

- Então...assiste.

- Esse é o sinal pra gente ir embora?

- É. Por favor sai da minha cabeça que eu preciso voltar pra festa.

- Só mais uma pergunta.

- Ai...o que?

- Por que nunca tem alguém com nome brasileiro: Pedro, Paulo, Mario, coisas normais assim, nas suas histórias?

- Ah...isso faz parte do mesmo problema. Tipo eu nunca estou no lugar certo, então tudo o que eu quero está sempre bem longe, em outro país, conseqüentemente em outra língua.

- Agora você está no lugar certo?

- Quem sabe...?


...


(só um gostinho, por pura falta do que publicar hoje)

4 comentários:

Rafaela disse...

Hahahaha!
Adorei a vez dos espectadores na história.
E devo dizer que fico ansiosa só de saber que não será amanhã que eu vou ler toda a história.
Enfim, vc me sacaneia, mas eu te adoro!
bj

Alice Salles disse...

finalmente vc colocou essa historia aqui!!!
quero maaais!

MgMyself disse...

Ah...mas essa história não é pra ficar qui! Na na não!

Beijos meninas

Flavia Melissa disse...

Hahahaha
Adoro, Me!
Quando vc conseguir deduzir a fórmula mágica do entendimento, tira a patente a vende!
Beijo com saudades!