domingo, abril 25, 2010

...tempos interessantes - parte 2

Esta é a segunda parte de Tempos Interessantes.
Se você não leu a primeira, clique aqui: Parte 1



"Senhores passageiros,
a partir deste momento todos os
aparelhos eletrônicos devem ser deligados.”

Os dois desligaram seus celulares, se olharam sorrindo, e ele iniciou uma conversa sem limite de caracteres.
“Então…essa viagem…férias?
“Deixa eu pensar como faz pra te contar isso com 140 letras…”

Ele sorriu entendendo a ironia e retrucou.
“Não! Pelo amor de deus, conta usando o máximo de palavras que você conseguir! A gente ta fora da prisão do Twitter!”
"Jura que você não vai desaparecer na terceira frase?”

Ele segurou a mão dela com ar de arrependimento.
“Ai Helo…desculpa. Eu nunca consigo dar atenção pra você direito, sempre alguém me chama…geralmente eu to trabalhando. Desculpa…”
“Eu sei. Ta tudo bem, eu nem te odeio por isso…hoje.”
“Hoje? Nossa…tão ruim assim?”
“Péssimo! Qual dos assuntos interminados você quer retomar agora?”

Os dois riram com a possiblidade de encontrar todas as conversar interrompidas no twitter e retomá-las, e ele voltou à pergunta original.

“E a viagem?”
“Ah…a viagem. Uma amiga de muito tempo vai dar uma festa. Um reencontro.”
“Eu to convidado?”
“Se você tiver um pretinho básico, uma peruca e um salto alto. É um reencontro só de meninas.”

Os dois falaram durante quase toda a noite, sem parar, até os olhos dela não obedecerem mais. Ele percebeu.
“Hey…pode dormir…”

Sem abrir os olhos ela respondeu:
“Teu limite de API acabou?”
“Não, mas a sua proteção de tela já entrou…”

Ela sorriu abrindo um olho só - “Boa noite…nerd”
“Boa noite, amor.”

“Amor”. Esta era a maneira que ele falava com ela no Twitter, sem se dar conta de que cinco letras eram suficientes para que ela derretesse. Mas nem em seus sonhos mais delirantes ela podia imaginar adormecer ao som desta palavra.

......................


No saguão do aeroporto, a confusão de sempre para pegar a bagagem, muita gente, pouco espaço, malas que não aparecem, outras que aparecem em outra esteira. E os dois.

Quando a mala preta com grandes bolas pink apareceu, ela se aproximou da esteira para pegar, mas ele se adiantou trazendo a mala para junto dela. Repetiu a gentileza trazendo um carrinho e ajeitando a bagagem para ela, mas não se mexeu para pegar a sua própria. Um homem grande, de jeans a camisa branca se aproximou batendo no ombro dele.
“Podemos ir.”

Ele concordou com a cabeça, ainda olhando para ela que arrumava os documentos na bolsa.
“Tem uma caneta?”
Ela não entendeu. "Ein?”
"Me dá o seu celular.”

Antes que ela concordasse ou discordasse, ele pegou o celular da mão dela, discou um número, olhou para ela levantando as sobracenlhas como se esperasse alguma coisa. O celular dele tocou no bolso da jaqueta.
“Ta daa! Pronto…eu tenho o seu número, você tem o meu. Vamos nos falar antes de você ir embora?”
Ele falava enquanto salvava os respectivos números nos dois celulares.
“Isso é uma pergunta ou um pedido?”
“Um pedido… numa pergunta.”

Justin colocou o celular na bolsa dela que ainda estava aberta sobre o carrinho de bagagem. Guardou o outro no bolso da jaqueta.
“ Ok. Vamos sim.”
“Ótimo. Se cuida.”
“Você também. Ah…o que que eu falo pra todo mundo que vai me fazer pergunta no Twitter?”
“Que eu sou burro e tenho mal hálito.”
Ela sorriu e o viu se misturar à multidão que saía do aeroporto. Com um suspiro descrente, ela deu a volta na esteira para ter certeza de que não havia esquecido nada – o que seria normal partindo dela – e foi para fora esperar pela amiga, Marina.

O cheiro da cidade nunca muda. Café, mar, sol quente. Não importa a estação do ano, este é o cheiro que ela sente quando chega e respira fundo, deixando o perfume penetrar em cada poro do seu corpo. Heloísa fechou os olhos por alguns segundos e sorriu… “Minha casa…”

Ao abrir os olhos novamente, procurou por Marina, sem sucesso, olhou em volta e viu Justin próximo a uma sport utility preta que estava cercada de pessoas.
Antes que Justin entrasse no carro, uma loira estonteante de seus 18 anos, com sua calça justa e suas botas altas, o abraçou longamente. Ele levantou a menina, que cruzou as pernas em torno de sua cintura, e colocou-a no banco traseiro do carro.

Aquela estava longe de ser a cena que Heloísa esperava ver, e ao que tudo indica, ele também se preocupou com isso. Depois de colocar a garota dentro do carro, ele correu os olhos pela saída do aeroporto procurando por Helô, que rapidamente disfarçou e olhou para o outro lado, fingindo não ter visto nada. Justin ficou observando a imagem de Helô parada ali: a echarpe bege de bolas pretas envolta no pescoço, a mala de bolas cor-de-rosa deixando escapar seu temperamento alegre, sua risada infantil, e o estilo que não a deixaria passar despercebida em lugar nenhum.

Ele foi até ela.
“Helô!”
Ela se virou, fazendo-se de surpresa.
“Você tem como ir embora? Quer carona?”
“Não…obrigada, minha amiga já deve estar chegando.”
“Tem certeza? A gente pode te levar…”
“Não…sério mesmo…ela deve estar estacionando.”
“Eu espero com você.”

“Justin!” - Gritou a menina, gesticulando de dentro do carro.
Vendo a cena, Heloísa disse.
“Não…Vai…eu to bem…a Marina já chega.”
“Mesmo?”
“Mesmo. Vai.”
Helô ficou olhando o carro de Justin se afastar…e o braço dele que apareceu para fora da janela, acenando para ela. Um suspiro. Isso foi tudo o que deu tempo de fazer antes que Marina encostasse o carro e abrisse o vidro do passageiro.
“Acorda, mulher!”
Ela virou-se rápido e viu Marina, a porta do carro já aberta…
“Entra e me conta TUDO!”
…jogou a mala de bolas no banco de trás, fez o mesmo com o casaco, bateu a porta e entrou no lugar do passageiro. As duas se abraçaram longamente.
“Ai que bom ter você aqui de novo! Você me mata de saudade!”
Heloísa não respondeu, mas abraçou a amiga da maneira mais terna que podia, tentando trazer, de trás da decepção momentânea, o verdadeiro motivo de sua presença ali.
“Eu sinto saudade até do seu cheiro!”
Marina riu e arrancou o carro.
“Ah a mania de cheiro…Me conta do cheiro do “Lives”.
“Ai ai…o cheiro do Lives…o Lives…a voz do Lives…as mãos do Lives…Posso fumar?”
“MÃOS DO LIVES? Como assim? Não muda de assunto…pode fumar. Ta com fome?”
“Não…to empapuçada de comida de avião.”
“Conta.”
“Ele mandou dizer que é burro e tem bafo…”
“Sei…por isso que você tava olhando pra ontem, parada ali, quando eu cheguei: o bafo!”
“Hahah…não. Antes fosse o bafo. Um Halls resolvia.”
“A mão…?”
Heloísa ligou o rádio do carro, apertou o botão do CD.
“O que você anda ouvindo?”
Marina desligou o rádio.
“Desembucha…o que que rolou naquele avião que você ta com essa cara?”
Helô voltou a ligar o rádio, olhou para Marina pronunciando cada sílaba…
“O.que.você.anda.ouvindo?”

Aumentou o som do carro, abriu a janela e colocou o rosto na direção do vento.
Marina franziu a testa estranhando a reação da amiga.

...............................

No final daquela tarde, no apartamento de Marina, Heloísa entrou na cozinha onde a amiga preparava um café.
“Hm…cheiro bom…”
“…de café ruim.” - Completou Marina.
“Não! Seu café é bom. To com fominha…posso assaltar a geladeira?”
“Mi casa su casa.”

Heloisa pegou um prato no armário e uma lasca de queijo na geladeira, encheu uma caneca de café e sentou-se à mesa da copa. Marina ficou encostada no balcão tomando seu café, olhando para a amiga que tinha o olhar distante.
“Você ta mais bonita. O que você fez?”
“Ah sei lá. Acho que são os 30. Meu pai sempre disse que a mulher desabrocha aos 30.” - levantando a sobrancelha ironicamente - “Desabrochei. Hahaha.”
“Você é ‘desabrochada’ desde que eu te conheci, na 6a. série.” – Marina disse, usando a mesma careta irônica de Heloísa. Helô deu risada e voltou a tomar o café.

“Me conta…você sabia que ia encontrar o Lives?”
“Não. Eu entrei no vôo sem saber nem que ele estava no aeroporto, você sabe que ele é um escondido e nunca diz direito onde está. Tá sempre em Londres. Blé…mentiroso ridículo.”
“Mas como foi?”
“Ele me reconheceu…pela foto no celular. Você viu o Tweet dele?”
“Vi…que roubaram o seu iphone.”
“Isso. Foi a hora que ele viu a foto, assim que sentou na poltrona. Foi engraçado…Ele é um bonitinho, todo carinhoso, tímido…um amor.”
“Sobre o que vocês falaram?”
“Ah…sobre tudo e coisa nenhuma. Filme, música, a mulherada do Twitter…”
“Como assim? Ele te contou quem dá em cima dele, quem manda mensgem, essas coisas?”
“Imagina! Ele é um gentleman! Nunca.”
“Ai…ele é um chato! Eu queria saber.
“Pelo amor de deus, Ma…a gente SABE quem dá em cima dele.
Aliás….ele é ELE mesmo né?”
“Você não quer saber essa parte.”
Marina saiu pela cozinha dando pulinhos.
“Ok…respondeu. Ha! Eu sabia! La la la la!”
“Você fica quieta, Ma…não sai falando!”
“Juro juro juro! – cruzando os dedos na frente da boca - Ah! Nunca me enganei!”
“Hahah parece uma adolescente. Por falar em twitter, posso entrar online rapidinho?”
“Claro. Vai lá que eu vou tomar um banho.”

Marina foi andando saltitante para o quarto enquanto Heloísa ia até a escrivaninha no canto da sala de estar.
“Agora que você sabe eu vou ter que matar você.”
De longe, Marina respondeu:
“O que?”
“Posso fumar?”
Marina apareceu na porta da sala, de calcinha e sutian.
“Se você vai ficar perguntado se pode comer, se pode fumar, se pode entrar online, eu vou reservar um hotel pra você, porque eu odeio visita!”
“Aff que grossa!…vai pro banho.”
“Só abre a janela que eu odeio visita que fuma.”
“Hahahah. Desaparece da minha frente, Marina!”

Heloísa abriu a página inicial do Twitter, digitou seu nome e senha e acessou sua conta chocada com o que encontrou. Depois do seu último tweet no avião, recebeu cinquenta mensagens diretas e, de alguma forma, havia respondido a todas, e todas falando mal de Justin.
“Como assim?”

Ela resolveu ler uma por uma suas respostas, tentando entender em que momento Justin podia ter feito esta brincadeira se não é permitido ligar o celular durante o vôo. As mensagens eram assim: “Não quero falar nisso. Vou esquecer que ele existe” “Ele estava cheiroso quando chegou, mas quando tirou o sapato eu quase vomitei!” “Ele é a coisa mais sem graça que eu já conheci” “Por favor, vamos mudar de assunto.”
Mas uma das mensagens, endereçada a Marina, era diferente das outras: “Eu sou, definitivamente, muita areia para o caminhãozinho dele.”

Mais do que rapido ela abriu seu próprio perfil para ver quais foram seus últimos tweets e lá estava uma pérola: “Por favor, gente, sem perguntas sobre @livesnowhere. Vou esquecer que o conheci.”

“Desgraçado!” – Heloísa falou alto, e foi para a porta do banheiro falar com Marina. “Você acredita que o Lives usou meu celular e twitou na minha conta enquanto eu dormia?”

Marina abriu a porta do banheiro com o celular na mão.
“Não minha amada…o Lives tuitou ha uma hora atrás USANDO o seu celular.”
“O que??”
“Uma hora atrás, olha aqui.”
Marina mostrou a mensagem que recebera no twitter. Embaixo estava escrito: "1 hour ago, from mobile" Helô franziu a testa e correu até o quarto. Voltou com o celular na mão.
“Meu deus…ele está com o meu telefone!”
Voltou para o computador e escreveu: "@livesnowhere você estava certo. Alguém pegou o meu iphone.”

Imediatamente chegou uma mensagem de texto que dizia: “Descobri antes de você. Quem é MikeRoss e por que ele te chama de babe?”

Ela colocou as mãos na cabeça e resmungou:
“Meu pai!! Tudo menos isso! Eu vou matar essa criatura!”

Digitou uma mensagem de texto. “Não responde pra ele! E não atende meu celular!”
A resposta veio rápido: “tarde demais…desculpa, BABE. Alguém me ligou?”
Helô falou alto: “Argh! Eu vou matar…ele respondeu pro Mike!!”

Marina morria de rir enquanto se vestia. Mas Heloísa ficou furiosa, largou o telefone e foi conferir se tinha alguma mensagem de MikeRoss - um inglês que mandava mensagens todos os dias, a quem ela não respondia nunca, por achar que ele era folgado demais. Mas não, não tinha nenhuma mensagem do Michael em sua caixa de entrada, porque obviamente, Justin deletou. Ela abriu o perfil de Michael e também não viu nenhum tweet endereçado a ela. Ainda na esperança de descobrir o que Justin fez em relação a Mike, ela voltou às mensagens enviadas e encontrou:
“MikeRoss: stop DMing me asshole. I’m commited.”

Ao ler a mensagem ela soltou uma gargalhada.
“Obrigada, meu amor…eu não faria melhor.”

O telefone de Marina tocou. Era Justin. Helô correu para atender.
“Você é ridiculo, Justin, sabia?”
“Ah…ta brava comigo.”
“Como você descobriu o telefone daqui?”
“Daer…”
“Hm…na minha agenda…Por que você twitou na minha conta?”
“Porque eu precisava telefonar pro meu agente, e descobri que não podia.”
“O que isso tem a ver?”
“Tem que não dá pra resitir.”
“Hm…eu não tinha pensado por esse lado.”

Continua…um dia...

4 comentários:

Jacque disse...

Ah, não! Vc não vai demorar tempão pra terminar esta história, né???
To adorando. Mas quero tudo logo. Please!!!!!
Beijo
Jacque

Alice Salles disse...

hua hua hua
continua... eu sei bem! :P

Mari Migliacci disse...

hahahah

que delicia de texto!

Lina disse...

Como assim sua irresponsável??!rs rs Eu estava adorando... quase tenho um treco quando li: "continua... um dia..."
Continua logo.