terça-feira, fevereiro 23, 2010

_à deriva

Dia estranho.
Acordei chateada sem saber por que, cancelei o treino, fui tomar café de cara amarrada, abri o Twitter e tive vontade de xingar uns três ou quatro, não tive paciência para folhear o jornal, não sorri. Mal sinal.

Dirigi, para resolver um problema bem longe, por uma estrada que me fez lembrar como eu gosto de dirigir. Espera! Se eu gosto de dirigir, por que eu não tenho saído de casa?
Eu tenho total consciência de que as melhores histórias que eu escrevi saíram de dentro do meu carro, com música alta e a cabeça nas núvens. Nenhuma aconteceu sentada em frente ao computador. Sério...NEM-UMA. Aí eu páro e descubro que não escrevo mais...então faz as contas: se eu não saio eu não dirijo, se eu não dirijo eu não escrevo. Descobri a pólvora.
Até aí está tudo bem, mas e o motivo? Por que eu não saio? Não saio porque digo para mim mesma que preciso escrever. Ah...sei. Mas se não saio não escrevo, então me explica? Eu não saio porque resolvi parar de escrever?

Nessa linha de raciocínio tudo fica mais complicado. Por que eu não escrevo? Por que eu engordei? Por que eu empurro tudo com a barriga? Por que eu não voltei no médico? Por que eu parei de treinar? Por que eu não vou na produtora? Por que eu não vejo meus amigos? Por que eu não vou para Curitiba? Por que eu não vou ao cinema? Por que eu não fui ao casamento da filha da minha amiga em Los Angeles? Por que eu não pego aquele avião na sexta-feira e vou com o meu marido para onde ele vai? Por que eu não vou ao shopping? Por que ainda não troquei as coisas que comprei no Natal? Por que, por que, por que?

Auto-sabotagem.
Hoje de manhã quando eu estava no carro e o Black Crows estava berrando, eu olhei a hora no painel do carro: "23-02-2010 11:20am".
O que? VINTE E TRÊS DE FEVEREIRO DE DOIS MIL E DEZ? Como isso aconteceu? Faz um ano e um mês que o meu pai faleceu? Faz um ano que eu não escrevo? Faz um ano que abandonei meu livro, meus roteiros, meus interesses, meu corpo, minha pele? Pra que?
Abandonar a mim mesma não vai trazê-lo de volta! Eu sei disso. É muito óbvio...muito. Mas eu não consigo descobrir onde ir buscar o que eu preciso para retomar a vida e encontrar os quatrocentos e poucos dias que já se foram. Eu tenho pressa, mas não tenho força.

Não sei o que dizer...é estúpido, é tão estúpido. Eu, a rainha de jogar bóias para salvar todo mundo, não consigo encontrar meu bote salva-vidas. Estou à deriva nesse laguinho que não há de ser tão imenso, mas que parece um oceano sem fim.
Preciso encontrar o norte.
Hoje.

9 comentários:

daniela70 disse...

Há uns dias escrevi exatamente sobre isso no meu blog e o título era À beira e à deriva.
Não posso te resgatar, acho que ninguém poderá te resgatar, exceto você. Quer companhia enquanto você está vagando por aí.
Existe saída, querida, essa é a única certeza.
Tô no Rio. Qualquer coisa, tamosaê.

Não gosto de fazer propaganda do meu blog, pq acho babaca. Mas pela coincidência de títulos e problemas, aí vai: http://impublicavel.wordpress.com/2010/01/27/a-beira-e-a-deriva/

Beijo!

Anônimo disse...

Dani,

Fui la e adorei! Pelo menos você escreveu bem mais bem humorada do que eu. hahha Amei váaaarias coisas.

Beijos

Mercedes

Letícia disse...

Bom dia Mercedes...

Longe de mim propor qualquer coisa pra uma mulher tao inteligente, independente e segura de si. Ou mesmo querer indicar livros a uma escritora... Mas você ja leu "A Cabana"?!! Tenho percebido que sua forma de escrever ta diferente.. Ou seja, parece que agora doi escrever e antes era uma extensão de sua alma... Simples e apaixonante ao mesmo tempo!
Se nao tiver lido ainda, dê uma olhada, quem sabe alguma coisa acontece ne!!!

Bjo.

Rafa Pedro disse...

Então vc não fez nada no último ano. Engraçado... A festa da Natasha? Nada! A mudança da sua Mãe? Nada! O projeto da Casa? Nada.
Não se culpe tanto. O ano passado não foi fácil, mas por muito menos as pessoas se entregam muito mais.

bj

Anônimo disse...

Eu sou uma pessoa de cara lavada. No máximo um rimelzinho e um corretivo pra apagar as marcas da minha opção de passar as madrugadas acordada.
Aí hoje acordo e me dou de presente um super make-up dá-um-jeito-no-carão...

RAFAELA VOCÊ BORROU A MINHA MAQUIAGEM!!!
Acho que eu precisava ouvir(ler) isso. Obrigada Rafa. A sensação de inutilidade diminuiu um monte.

Por isso que eu te amo.
Tá...não só por isso. :)

Beijo

Me

Pedro Rocha disse...

Hello!

Eu não tenho a solução, nem a prentensão de tê-la. Mas entendo a dor e o vazio irreparáveis que você sente e te desejo muita muita muita força, porque sei que não é nada fácil! Se precisar, chore. Se necessário, grite. Mas não se renda! Você vai conseguir, tenho certeza. Eu sei que você já sabe, mas você é abençoada.

Beijooooos.
Fica bem.

MgMyself disse...

Ai amotodomundo!
to feliz hoje, crianças...:)

Rafa Pedro disse...

Encontrei hj mais uma pessoa que te ama muito e tb acha q vc não tem noção de tudo que fez no ano que passou.
Ela disse que vc a abandonou, mas ela sabe q vc está bem e por isso está feliz.
Desculpa aí pela maquiagem borrada.

tb amooooo
bjs

heller disse...

cantinho da terapia: eu, desde q meu pai morreu, a 4 anos, eu acho q retrocedi, acho q esperando essas coisas burocraticas se resolverem, pois nao tem como planejar nada, toda hora surge um problema novo, q eu vou empurrando com a barriga... mas esse ano eu mudo, ah se eu nao mudo! eu amo vc e a rafa e sinto falta de vcs...
beijo