quarta-feira, setembro 03, 2008

Vão-se os Anéis...e parte da alma


Essa semana começou punk. Logo na segunda-feira eu descobri que minha máquina fotográfica foi roubada debaixo do meu nariz. Muito muito debaixo do meu nariz: de dentro do armário que fica atrás de mim na sala onde eu passo 15 horas por dia, todos os dias.
A minha câmera! Aquela que foi comigo para a Patagônia, Madrid, Barcelona, Aranjuez, Los Angeles, New York, Miami, Disney, Roma, Paris, Curitiba, fotografou natais, amigos, mãos, sorrisos, histórias...e esteve comigo aqui em casa, fotografando detalhes da minha vida que ninguém vê. Quando meu filho pediu a câmera emprestado, e vi que o case estava vazio, vazio foi o que eu senti. Em segundos eu vasculhei o cérebro perguntando onde ele escondeu a informação que estava faltando ali. "Eu emprestei para alguém? Eu levei para Curitiba e esqueci lá? Eu guardei em outro lugar?" Não tem como sair daqui com uma tele 300 sem ser visto!! Não tem? Tem! Tem se você for minha empregada ha 4 anos, tiver toda a minha confiança, for uma amiga sem tempo ruim, for alguém que faz parte do patrimônio da família. Tem!
E foi aí que um vazio maior ainda tomou conta de tudo. Eu perdi uma câmera? Nada...perdi muito mais. Perdi uma pessoa, outra vez. Perdi a esperança, outra vez. Outra vez eu criei uma cobra para me morder, e ela entrou na minha vida na pele de pessoa atenciosa e bem intencionada, pobrezinha e tão boa, dedicada e leal. Outra fucking vez!
Quando é que eu vou aprender?
Por que será que aos quase 47 anos eu ainda não aprendi a reconhecer essas pessoas assim que elas aparecem? Ok...não consigo ver (quando é comigo), mas então por que é que quando eu percebo o primeiro sinal de que a punhalada virá, eu não me livro da criatura? E por que depois da primeira punhalada eu ainda acho que as pessoas mudam e que nunca mais farão aquilo comigo? E por que mesmo falhando em todas as alternativas anteriores, eu ainda fico achando que posso aguentar o baque e resolver tudo sozinha, sem dor, sem incomodar ninguém, sem escândalo? Juro que eu não entendo.
A sensação de ser roubada dessa maneira dói na alma, como doeram todas as outras vezes em que percebi que estava sendo usada, que tanta boa vontade e lealdade não passavam de parte de um plano, que havia um interesse maior capaz de usar meus pontos fracos e o meu coração mole para obter o que a pessoa queria, que ninguém está acima de qualquer suspeita, e se chegar a estar, se colocou lá para poder tirar mais de mim.
Uma, há muitos anos, me tirou o que era meu de direito. Outro me tirou parte da alma, quase leva minha dignidade, meu amor próprio, e minha esperança de viver em paz. Outra levou algum dinheiro e uma máquina fotográfica. Nos três casos, eu permiti.

Cadê a terapeuta aquela para me analisar agora que eu preciso?


...

11 comentários:

Flavia Melissa disse...

to aqui!

a questão é que vc é boa demais, me...
e não se sinta responsável por isto.
responsável é quem te roubou, e eu prefiro mil vezes seus olhos brilhando de fé do que de desconfiança.

amo.

Alice Salles disse...

eu concordo com a flá, prefiro te ver cheia de esperança do que sem querer estar perto de mais ninguém por causa do que algumas pessoas te fazem...

Perin disse...

Faz como sempre...bola pra frente! Tá na tua essência se doar e isso não se muda mais...respiração abdominal e energia boa!
Mas devo confessar que eu que te acompanho na vida mesmo que perifericamente fiquei tentando adivinhar a primeia pessoa que vc citou, aquela que te tirou o que era de direito( até tenho uma suspeita), os outros eu entendi...sou o teu velho mano curiosoooooo...bj e não fique triste...te amo.

MgMyself disse...

Mano, a primeira pessoa: "O que é a Marselhesa?"

Lembrou?

Tambem te amo.

Perin disse...

hehehe...foi exatamente o que pensei...bjinho

Fernanda S. disse...

Putzzzz... sem palavras!
Triste é confiar nas pessoas!

e mais triste ainda é saber que não se pode confiar nelas... jamais!

Beijocas... estava com saudade deste cantinho!

marilia disse...

A mesma da outra vez????
Que saco heim!!!

Rocha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rocha disse...

Caraca, que saquinho hein! Well... Se é que existe algum lado positivo nessa história (dizem que sempre há), pensa que foi melhor ter descoberto logo.
Ou não?!

Beijos

Leão Leibovich disse...

Mas que capacidade danada de transformar tudo em vocábulos e fazer um texto tão bacana... To realmente admirado. E, o que é melhor, me identificando muuuuito com vc. Tb escrevo muito e acho que isso me deixa muito esclarecido internamente quanto aos meus sentimentos.

Leão Leibovich disse...

Nossa... quanto "MUITO" hehehehe parece até que to fazendo promoção pra Vivo! heheheheh