sexta-feira, julho 26, 2013

...rancor adolescente


.
Lá no meio ou no fim dos anos 70, minha turma do Colégio costumava fazer um jantar por mês, geralmente temático, porque...sei lá porque. Era cada vez na casa de uma de nós.
Tínhamos 16 anos em média, éramos não mais do que 19 meninas de uma turma engraçada. Não éramos desunidas, mas havia uma certa divisão na sala.
Tinha as não-virgens (não...a gente não as chamava assim) que eram as meninas que namoravam há anos com caras mais velhos do que nós, algumas até usavam aliança. Eram todas super mais bonitas, hiper cool e, de longe, muito mais interessantes do que as outras, simplesmente porque tinham mais assunto e mais histórias pra contar.
Tinha as CDF, que como no resto do universo,  eram menos bonitas, mais quietas, mais descabeladas. Mais tarde essa diferença deixou de existir, porque ninguém consegue fazer a linha meu-cabelo-é-feio-mas-sou-inteligente a vida inteira. Algumas delas se tornaram mulhers bem bonitas.
Tinha as superamigas: meninas que estudaram juntas desde o jardim, vieram da turma da tarde e não se separavam para nada. Eu passei três anos inteiros me sentindo uma outsider perto delas.
E tinha “nós”. Nós éramos as que não viajavam nas férias, não eram convidadas para as festas de 15 anos, não frequentavam a casa das outras a não ser que tivessem trabalho em grupo pra fazer, ficavam sabendo das festas do final de semana só na segunda, pelos comentários. Nós não éramos importantes. Apenas estávamos lá.

A diferença básica entre eu e a maioria das meninas da minha sala, numa escola de elite, é que elas faziam parte desta elite, enquanto eu era bem quebrada. Nessa época eu morava num apartamento/sobrado perto da Escola e meus pais estavam tentando se reerguer de um daqueles golpes do destino que levam embora todos os centavos que você pensava que tivesse. Até hoje eu não sei direito se os 4 filhos da minha mãe eram bolsistas, ou se meu pai vendia a alma para a diretora da Escola uma vez por ano. Provavelmente a segunda hipótese.
Então um desses jantares foi na minha casa. Eu lembro que o tema era “jantar brega”. Lembro de procurar a toalha de mesa mais estampada, flores de plástico para um arranjo, e a roupa mais esdrúxula.  Lembro de pensar num cardápio igualmente brega. Me preparei para tudo. Quase tudo. Tudo menos o olhar de reprovação de duas das minhas “amigas”. 
Lembro de querer ser surda pra não escutar os comentários maldosos que elas não se preocuparam em esconder. Lembro de querer não ver as duas andando pela minha casa e comentando as cortinas, os móveis, a louça, até os talheres de servir. Lembro de sentarem na minha cama (eu dormia com minhas duas irmãs) e uma delas passar a mão na colcha cor-de-rosa-medonha (ou era azul-medonha?) e olhar para a outra com um sorrisinho malvadão. Talvez tenha sido a coisa mais rude que eu vivi. 
Mas eu sempre fui desligada. Sempre fui tranquila. Nunca achei grandes diferenças entre o meu apartamento humilde e algumas das mansões em que minhas amigas bonitas moravam. Era meio que uma regra: as bonitas eram legais e muito ricas. As outras apenas moravam bem. Mas eu nunca quis a casa de nenhuma delas, ou estilo de vida, nem o guarda-roupa. -- Quis o intercâmbio...mas também quis assim tipo “nossa que legal seria”,  nunca passou disso. Não ter, jamais foi um problema pra mim. Não ser sim...isso seria um golpe terrível bem no meio do coração dos meus pais, e me faria tremendamente infeliz. Ser, eu sempre fui.
E acho que foi por isso que me chocou a atitude das duas. Por eu não entender que diferença tão enorme elas viram. O que era tão absurdo na casa de uma família trabalhadora e digna, que as fez rir tanto? O que era tão fora do comum na casa de uma família unida, que causou nojinho a elas?
Eu não fiquei triste. Eu não me senti humilhada. Mas esta foi a primeira vez que eu achei que o mundo talvez não fosse um lugar muito amigável. Foi a primeira vez que eu vi que alguns humanos nasceram cruéis e pequenos. E tive pena. Delas. Torci para que os pais delas nunca ficassem sem dinheiro, porque talvez elas não soubessem mais viver. Talvez elas sofressem demais, e talvez não conseguissem ver o mundo com os meus olhos, como um alívio. Seria cruel.

Aí os anos passaram, a vida passou, a tecnologia evoluiu, e chegou o Facebook. Ah Facebook! Não faz assim comigo! Adivinha quem veio me adicionar como amiga?
Sim, senhoras e senhores...pois é.
E foi aí que eu descobri uma coisa horrível sobre mim mesma: eu não sou legal. Não consigo ser legal. Não tem como eu clicar “aceitar”. Não tem como eu achar normal que 30 e sei lá quantos anos depois eu não tenha esquecido essa história, mas também não dá pra acreditar que elas tenham. Aí eu simplesmente não quero que elas participem da minha vida. Passaram todos esses anos vivendo sem mim e eu sem elas, certo? Pra que mudar isso agora? Eu seria bacana se desse a elas a chance de mostrar que se tornaram mulheres melhores. Eu seria generosa se as deixasse entrar na minha vida pra conferir as cortinas da minha casa nova. Talvez.
Mas eu não sou legal, bacaninha, generosa...é tudo mentira. Eu guardo rancor. Esse, pelo menos, parece estar bem guardado.
Desculpa mundo. Não dá pra ser uma linda o tempo todo. It’s beyond my control.


**não precisa me dizer pra não dar bola pra isso, não precisa me dizer que eu sou melhor que elas, não precisa...não precisa. Obrigada

12 comentários:

Mari Migliacci disse...

Ah, há muitas pessoas cruéis, mas acho que há muitas outras lindas que a gente vai encontrando na vida e deixando esse rancor lá debaixo de todos os outros sentimentos. Minha família também passou por um desses tombos e demorou um bocado para se refazer. Ainda é complicado, todo mundo rala muito para que tudo fique bonitinho. Mas isso aconteceu na adolescência comigo também. E foi duro perceber que todas aquelas pessoas eram assim, pequenas. E me saber só. E gostar de me ter só, preferir estar só. Mas numa confusão danada, porque não é normal uma adolescente ficar só. Por muito tempo não encontrei pessoas para compartilhar. E aí a adolescência acabou e os contatos se multiplicaram em situações que traziam pessoas com interesses e valores mais próximos e com muito diferente a trocar.
Eu também não sou legal não. Ninguém é uma coisa só, todo mundo tem muitos lados.
Obrigada pelo texto. Incrivelmente, essa semana o pessoal da escola voltou a se 'encontrar' no Facebook. E eu não aceitei um bom número deles.

Mercedes disse...



Eu fui uma adolescente de grandes amizades sazonais. Na hora do vamovê estava sempre sozinha. Tive amigas que guardo até hoje, mas são 2 ou 3 apenas. E as melhores delas nem estudavam comigo.
Não acho ruim não, Marina. Acho que isso me fez pensar mais, ficar mais tempo sozinha do quarto compondo, escrevendo, lendo, e fez de mim quem eu sou hoje. Talvez se eu fosse uma adolescente cheia de festas e programas, eu tivesse me tornado uma companhia menos interessante pra mim mesma.

Sair da adolescência foi uma das melhores coisa da vida, que vida se tornou uma coisa incrível.

Mari Migliacci disse...

É, é isso mesmo. Tenho grandes amigas de anos, mas nenhum delas estudou comigo também. O lance da adolescência é ter uma cobrança de ser uma coisa que nem todo mundo quer ser. Eu sempre quis ficar lendo e escrevendo no meu quarto. E isso me fez assim também. É ótimo. Eu adoro. Mas durante a adolescência foi complicado descobrir que eu não precisava querer o mesmo que os outros. O processo todo. Depois foi que foi.

M. Leticia Ross Forneck disse...

Adoro ler seus textos Met. Parabéns! Muito bem escrito e muito boa a decisão de deixar essa "nojenta" fora da sua vida.

Mercedes disse...

Olha só! A Leticia é uma das amigas bonitas que morava num casão, e está aí até hoje. <3

Eu esqueci de contar que seria muito difícil ver as cortinas da minha casa nova, porque eu odeio cortinas. Simplesmente não as tenho. :)

Weidell disse...

Sacudiu a poeira da Caixa Preta de uma maneira "deliciante".

Rafaela Pedro disse...

Mas tava com tanta saudade de ler um texto seu, que li esse do começo ao fim com um sorriso rasgado no rosto. Ignorando a crueldade das tais 'amigas'.
E no fundo tenho muita pena delas: perderam a chance de ser amiga de uma das pessoas mais incríveis que eu conheço.
Beijo!

Mercedes disse...

Ain como vocês são lindos!! Me dá até vontade de fazer coração com a mão.

Mentira! Nada me dá vontade de fazer coração com a mão. hahaha.

Beijos, meus amores todos.

Luilton disse...

Você pode estar perdendo uma grande chance de se vingar, hein. rs
Esse tipo de coisa a gente não esquece mesmo. Mas eu adiciono. às vezes poder ser interessante manter os os inimigos por perto.
Abraços.

Felipe "Tito" Belão disse...

opa! fazia tempo que eu não passava por aqui... sempre bom ler o que vc escreve maninha =)

Pedro Rocha disse...

Gente, que delícia é voltar aqui! Eu também guardo alguns rancores. Claro que não almoço ou janto com eles, mas estão ali, bem guardados - só por precaução, porque meu sobrenome não é Alzheimer.

Beijo grande.

Juliana Bassan Ayon disse...

Eu super me identifiquei com esse texto, passei por situações parecidas no colégio e ainda hoje quando vejo algumas daquelas meninas tudo volta a tona. Também não sou boa pessoa e não aceitaria! :)