quarta-feira, outubro 20, 2010

Necessaire

.
O telefone toca de madrugada.
- Alô?
- Mê?
- Oi Ella...Tudo bem?
- Tudo e você?
- Que voz é essa? Ta triste?
- Triste não...
- Ta o que então?
- Acho que entendiada...meio decepcionada, sei lá.
- O que acontece?
- A necessaire...
- Xii...la maison est tombé!
- yep
- Necessaire no armário?
- 2012, amiga.
- Mas o que foi? Ele apareceu? Brigaram? O que?
- Não...quer dizer...ele já tinha resolvido que não podia blablabla, lembra?
- Lembro. Ele era um cara sério.
- Sério my ass.
- Sério sim...tinha milhões de motivos pra não ficar com você, se você não gosta de homem sério, não é problema dele, certo?
- Vai começar o sermão...Beijo, até.
- Não desliga!
- Não defende!
- Mas ele não tá errado...ele não podia ficar com você...não podia mesmo.
- Não PODIA! Passado! E agora cadê? Nem tem pena da necessaire que voltou pro armário. Ele não pensa mais em mim, Mê. Nem lembra da minha existência...me evita.
- Opa, opa...calma lá...se ele te evita ele pensa sim.
- Ah mané pensa...pensa nada. Se pensasse seria diferente. E não evita, errei a palavra: me ignora. Ta lá, bem vivendo a vidinha dele. E cadê a necessaire? Ta na bolsa? Não né? Então não pensa.
- Alguém mais, além de nós, sabe qual é a da necessaire?
- Sei lá...acho que todo mundo, quando tem alguém, carrega um kit de sobrevivência pro caso de ter que se arrumar no meio do dia, não?
- Sei não...todo mundo carrega primeiros socorros - base, demaquilante, rimmel, escova de cabelo - é normal. Mas não porque tem alguém. Só você deixa o kit em casa quando ta solteira... Mas você ta bem, ou ainda ta em crise de abstinência?
- Esse é o problema. Não to mais em crise. 
- Então não é problema...
- Mas alguém tinha que avisar pra ele...Mê, se ele demorar vai ser tarde..eu não quero. Vai dar trabalho me reconquistar.
- Ella! Para de ser louca! 1) ele não vai voltar. 2) não daria trabalho nenhum te reconquistar. 3) ele. não. quer. mais. você!
- Vai defender de novo?
- To defendendo VOCÊ, maluca! Enterra essa história que é melhor! Você já se abaixou tanto que mostrou a bunda, não sentiu o ventinho?
- Não lembro mais como era a gargalhada dele, Mê. E o cheiro dele saiu da minha blusa branca... lavei.
- Vou te internar.
- Please.
- Você não ouve o que eu falo, né?
- Não queria...
- Ella...por que você cismou com ele?
- Sei lá...só tem uma explicação...
- Qual?
- De menino..
- O que?
- Explicação de menino.
- Hahaha...fala.
- Amor de pica.
- Bah! Que coisa mais baixa...isso não é raciocínio de mulher!
- Eu avisei...
- Ai, jura pra mim que vai tentar outra explicação, pelo amor de deus.
- Ele tem a pegada do demônio, Mê...não tem como...ah!
- Hahaha! Você não existe...
- Mas é a única explicação viável. Vai dizer que é amor? Não deu tempo de amor. Não deu tempo de nada aliás...a gente nem fez nada...vai ver é isso mesmo. Meu deus, Mê! como ele OUSA me deixar com vontade e ir embora? COMO?
- Ha! Bingo! Você mesma respondeu: orgulho ferido, Dona Ella. Puro orgulho ferido! E depois? Se ele volta você faz o que? Pega o que queria e é a SUA vez de ir embora, isso?
- Eu nunca disse que era orgulho ferido.
- Não? "Como ele OUSA me deixar com vontade e ir embora"...disse sim!
- ...
- Agora sim la maison est tombé.
- Não, nem é nada disso...eu to triste mesmo. É que a paixonite tava me fazendo companhia, eu acho. Tinha alguém pra sonhar, tinha alguém pra pensar, tinha um e-mail pra esperar, alguém pra ligar. Agora babau...eu nem escrevo mais pensando nele, nada... uma droga.
- Ella...
- Ta...vai me internar. Vou ali matar meu orgulho ferido com álcool. Beijo
- Vê se não acha outro desse no caminho...
- To vendo que você me quer bem.
- Vai levar a necessaire?
- Nhé, beijo.



As amigas que eu tenho...


11 comentários:

Fabio Piva disse...

Ah, essa Ella... sem comentários. E você também, hein Mercedes? Olha, colocar duas mulheres para decifrarem um homem é o mesmo que colocar dois macaquinhos para provar o Último Teorema de Fermat. E não nego que o inverso -- colocar dois homens para entenderem uma mulher -- dá no mesmo.

Bom, a Ella me ligou assim que desligou com você. Sexta eu compartilho a conversa no Paciência Negativa -- espero que Ella não me mate por isso.

Fabio Piva
http://paciencianegativa.blogspot.com/

Mercedes Gameiro disse...

Isso ta virando uma zona mesmo...Quem diria que um dia Ella S. em pessoa ligaria pra um amigo meu.

vou ter que ligar pro terapeuta...

Mercedes Gameiro disse...

By they way...macaquinho tua vó!

Hugo Pires Teixeira (@hugopt) disse...

Concordo com o Piva, em meu mundo, a metáfora seria assim: duas mulheres entenderem um homem seria tão aberrante quanto dois ortopedistas lendo um eletrocardiograma...eles tentariam reduzir e engessar...
Beijo, Cleópatra do narizinho arrebitado...se não entendeu, recomendo a Leitura de Asterix e Cleópatra...;P

@hugopt
www.hugopt.blogspot.com

@lexis disse...

Qual "explicação de menino", qual quê... explicação de quem sabe o que quer... e a explicação é "pica"...
Gostei do post. Vou ficar de olho aqui...
jinhos

Perin disse...

Me, gosto muito da maneira que vc escreve, mas gosto mesmo das tuas crônicas, são nelas que acho que vc dá o teu melhor. Gosto menos dos textos de ficção, fico com preguiça, mas isso é apenas um gosto pessoal, continue escrevendo muito e sempre e sobre tudo. Beijo

Fabio Piva disse...

Ó... acho que não ajudei muito a Ella, também. Transcrevi o meu papo com ela aqui, neste texto resposta:

"Nece... o que?" http://paciencianegativa.blogspot.com/2010/10/nece-o-que.html

Fabio Piva
http://paciencianegativa.blogspot.com/

Me disse...

Perin,

Mano querido...eu sei. Eu também! Acredite. Mas um furacão passou na minha cabeça e varreu a inspiração.

vou escrever um texto contando isso, especialmente pra você.

Beijo

Ella disse...

Você e o Fábio, ein? Droga!

Mercedes Gameiro disse...

A Necessaire da Ella.

vou contar, porque tem gente que não entendeu quanto de debilóide dona Ella S. é.

Se você quer saber se a Ella está saindo com alguém, basta abrir a bolsa dela. Lá dentro vai ter uma necessaire com maquiagem, camisinha, tudo o que você imaginar, talvez até um kit de depilação.
Fato: ela acha que pode rolar alguma coisa, por exemplo, na hora do almoço,e ela vai ter que se arrumar para voltar para o trabalho. Não quer ser pega desprevenida. Quer dizer...quer ser pega, mas quer estar prevenida. Entendeu?

Mas, isso é meio que um amuleto, sabe? Enquanto ela tem esperanças naquela pessoa, a necessaire está na bolsa. Assim que ela perde as esperanças, num ritual fúnebre, ela faz o enterro das esperanças no armário do banheiro: enterra a necessaire.
Coisa de gente que tem T.O.C. eu acho.

Logo: sorte no amor = necessaire na bolsa.
azar no amor = necessaire no armário

É isso.

Beijos

Fabio Piva disse...

Pô, Ella, eu te ajudo e você fica de mal de mim? Ó... não ajudo mais. E eu ainda omiti, lá no Paciência, os trechos sórdidos da conversa. Hunf.

Fabio Piva
http://paciencianegativa.blogspot.com/