terça-feira, julho 22, 2008

Sobre amor, beleza e outras manias...


Eu lembro de ser bem pequena, de saia curta, sapato de verniz branco, meia três quartos, e sonhar com o dia que eu seria Miss Brasil. Lembro de querer ser bonita muito mais que todas as outras coisas que as pessoas queriam. Lembro que nunca me vi como os outros me vêm. Nunca tão brilhante. Nunca tão bonita.
Eu não quis ser nada importante, na verdade quis muito poucas coisas e ser alguma coisa me assustava como boa libriana: "hey! mas eu vou ter que escolher?" Como sempre fui incapaz disso, a vida foi me levando...eu já falei sobre isso por aqui e não quero me repetir...só quero chegar ao ponto: eu não quis nada, eu tive tudo, mas a desgraça da beleza nunca deixou de me assombrar. E o tempo passa... e o tempo é cruel - o tempo, a gravidade, a gravidez...
O culto ao intelecto do meu tempo, fez com que achássemos que o corpo era só um meio de transporte para o cérebro, nos matando mais cedo, nos trazendo marcas precoces, nos detonando aos poucos (e aos montes). Fumamos tudo e bebemos todas para conseguir filosofar mais claramente, ter mais talento, ser mais interessantes. Alguns de nós ainda resgataram a saúde a tempo, sem achar feio, sem achar que ficariam mais burros ou menos dignos. Outros não. E aí houve uma inversão tão perigosa quanto a primeira: minha geração cuidou demais do corpo, se plastificou, se encheu de botox, ficou neurótica, e era a academia ou a depressão, o personal ou o sentimento de abandono, a seringa ou o medo de ser mais velho do que todos os seus iguais. Enquanto os sedentários criticavam e viam a diabete e o colesterol chegarem, os novos atletas pareciam se conservar em formol.
A minha geração correu atrás de uma aparência impossível, porque não inventaram nada para trazer de volta a pele dos vinte anos. Preenche-se tudo, mas perde-se a identidade. Troca-se tudo...peito por silicone, ruga por restyline e botox, pernas finas e bundas chatas por próteses, maridos por meninos, esposas por modelos, famílias por aventuras.
E eu tenho medo de descobrir mais tarde que toda uma geração se perdeu ao perder a maturidade, por achar que a adolescência não precisava passar. Medo que todo mundo se olhe no espelho daqui há um tempo e descubra que está disforme, irreconhecível, e...sinto muito...ainda assim, velho!

Já bem tarde na vida, encontrei um homem cinco anos mais novo do que eu. Vampira que sou, guardei ele para mim, garantindo a porção de juventude que podia me faltar um dia. E nós crescemos juntos. Ao lado dele eu virei uma matrona várias vezes. Ao lado dele eu cheguei aos quase 90 quilos. Ao lado dele eu jamais escutei uma crítica referente ao meu corpo ou às marcas do tempo. Se saí correndo para malhar, para fazer regime, para fazer uma lipo, para fazer um laser, foi sem que ele jamais sugerisse nada. Aí...no fim desse meu regime enlouquecido, em que já dei adeus a quase todos os quilos a mais, eu olho para ele e percebo que para ele tanto faz. É a mim que ele ama! Ele não quer saber se eu tenho músculos ou flacidez, se minha pele tem manchas, rugas, celulite...ele quer saber se eu estou feliz. Ele está envelhecendo ao meu lado e a história de vida que temos é muito mais valiosa do que uma injeção de botox que vai durar no máximo quatro meses. Ele sabe que olhar no espelho e gostar de mim mesma me faz feliz, mas isso só serve para ele apoiar as minhas loucuras, e seguir sorrindo, porque para ele, seja velha ajeitadinha ou velha carcomida, o importante é que eu esteja lá.
Um amigo me disse outro dia que as mulheres não têm idéia do quanto são lindas aos cinquenta anos...veja só...quem diria? Quem sabe ele nem é louco. Quem sabe nós, mulheres, é que exigimos demais de nós mesmas. Ao ver aquele cartão no Post Secret desse Domingo, me lembrei do meu amigo, e do meu marido, e do quanto o tempo passou...o quanto ele deixou marcas, e o quanto o tempo faz parte de mim...e eu dele.

Então eu quis ser miss, eu quis ser musa e esse querer não tem, no fim das contas, nada a ver com beleza. Mas eu, boba, não sabia.



Um beijo amigo no seu umbigo.


PostSecret é aqui.

8 comentários:

Alice Salles disse...

ah mer, que lindo!
eu vi esse cartão também e ele me deixou toda mole, e você escreveu tudo aqui de um jeito que me deixou mais mole ainda...
incrível!
real e sincero...
não tem nada melhor do que isso!

rafaela disse...

Lindo!
Preciso dizer que esse texto veio no momento exato, quando eu mais precisava de outro puxão de orelha.
bjs

Flavia Melissa disse...

Não preciso nem comentar, mas vou!
Eu quero um dia poder ser bela como vc e, isso, para mim, significa saber reconhecer todas as belezas que vc tem na sua vida, sabendo priorizar o que é prioridade, sabendo viver serena em meio ao que é tranquilo e pacífico, sabendo usufruir de tudo o que a vida te deu sem deixar de olhar lá na frente e perceber que ainda existe um pote de ouro no final desse lindo arco-íris que é o seu caminho...
mexeu comigo.
chorei!

ai como sinto saudades...
ai!, ai!, ai!!!

Perin disse...

Palmas pra vc..."as usual". Gostei demais do texto. Bjo com saudade docê.

Bia disse...

Gostei demais do seu texto....tenho 25 anos, mas agora, já sei o que esperar de mim mais para logo a frente, que LUZ que me deu na frente do caminho!!!Parabéns!!Beijo grande!

Lee Swain disse...

Saborear o tempo... tão bom como tomar um bom vinho. Texto de gente grande, Mercedinha!

Anônimo disse...

Meti, sua sensibilidade chega a espantar, em mim provoca sensações inusitadas e impressiona!
"Então eu quis ser miss, eu quis ser musa e esse querer não tem, no fim das contas, nada a ver com beleza. Mas eu, boba, não sabia."
Isso é de uma beleza inexplicável!!!
Sou seu fã!
Beijos
Bianchi

Anônimo disse...

Maravilha!
Cheguei até seu blog procurando informações sobre um produto que me rejuvenecesse. Ele é apenas citado, mas a leitura deu-me uma visão melhor sobre aparência e vida. Destaco a frase que mais me marcou:
"não inventaram nada para trazer de volta a pele dos vinte anos."
Obrigada!