sábado, junho 02, 2007

Luz

Diogo - Setembro 1984 - 3 meses
Tinha ainda o tamanho do nada, mas preenchia um espaço enorme que eu antes não sabia que existia. Chegou avisando que eu não era mais menina. Que não sabia nada ainda. Que minha vida até ali havia sido uma grande coisa nenhuma, pois só agora ela começava de verdade.
Chegou mostrando um outro mundo. Um céu diferente. Núvens mais claras. Chegou dizendo que trasformar é a única maneira de ser feliz. E era ele próprio a minha transformação.

Quando existiu em forma, abriu seus grandes olhos claros e um sorriso mágico. Nem era preciso sorrir com aqueles olhos que eram toda a luz do universo.
Com sua voz deliciosa encheu meu caminho de todas as esperanças que existem em todas as cores do mundo. Presenteou minha alma com toda alegria e inspiração que as pedras no caminho tentavam esconder.
Quando surgiu assim, removeu as dúvidas, os obstáculos, as tristezas, e me disse que estaria sempre ali. Sempre.
Sempre era ainda uma palavra tão vaga...
Até aquele dia, nada havia sido para sempre, nada a longo prazo, nada feito de material durável. Até aquele dia, todo amor era efêmero, toda paixão passageira, toda condição temporária. Só ele seria sempre. De todos os sempres, além de todos os sonhos, só ele seria constante, eterno, presente sempre.
Até aquele dia, "futuro" era uma palavra distante, ininteligível, cheia de mistérios. Mas ele, ali, naquela forma linda, com seus sons e passos incertos, escancarava o sentido da palavra, tornando-a algo tão certo. Futuro era a certeza de dias cheios de alegria. Futuro era eu nele. Éramos nós e esse amor imenso.

Há 23 anos minha vida se encheu de uma luz intraduzível.
Há 23 anos tudo fez mais sentido.
Há 23 anos acordo e durmo, todos os dias, sabendo que há uma parte de mim que é pra sempre, e agradeço.



Domingo é aniversário dele. 23 anos de vida. Na minha vida.

14 comentários:

Alice Salles... disse...

Ai Mer...

O Di realmente é especial, como você é e traz um tom diferente e brilhante a tudo o que faz. Ninguém precisa de mais do que cinco minutos perto dele pra realmente se sentir abraçado por ele. Ele é carinho em pessoa, e se é assim é porque herdou de alguém... hehehe!
Linda demais essa homenagem pro homem que há tanto tempo te dá tantos motivos de se orgulhar e se der feliz!

Besos aos dois

Alice Salles... disse...

*de ser

Felipe "Tito" Belão disse...

Queria poder escrever assim... quem sabe um dia vou poder...

mas dele, tenho q dizer que desperta o nosso amor de um jeito que fica sempre só dele...

Anônimo disse...

É Met...mais uma vez lindo!!!Maravilhosamente lindo!!!
E como no meu coração sobrinho é filho...amo, amo, amo...
Ele faz parte do coração a 23 anos...Tantas coisas boas, tantas coisas engraçadas...as bochechas lindas...
Quero que seja muito feliz!!! Que aliás, acho que é...mas seja sempre...Beijos e Parabéns pelo 23 anos vc tbém. Pat

Anônimo disse...

Voltei pra dizer...que saudades deles todos assim tão pequenininhos!!!
É bom , é ótimo hj tbém, mas era delicioso.
Beijão.
Pat

rafaela disse...

Chorei pouco lendo isso...
Muito lindo!
Tanto o texto quanto o "menino".

bj

Fastolf.b disse...

aiai...
Que lindo.
Tão lindo que prefiro até falar pouco!
Obrigado.
Amo-te

Flavia Melissa disse...

que coisa mais lindaaaaaaaaaaaaaa!!!

diiiiiii, adoro é pouco!
e meeeeeeeee... só vc mesmo prá fazer filho assim...

amo, adoro e venero :)

Rodrigo Gameiro disse...

Obra de arte!!!!

Marília disse...

Nas nossas vidas está há um ano e já amamos como se fosse nosso!!
Parabéns Meeee!!

Carolina Garofani disse...

eu chorando :(

ele é
e eu amo esse piá também

e um dia também vou ter esse amor por alguemzinho

acho que é o seu texto mais bonito de todos, mê. você é linda! por dentro também!

Anônimo disse...

ai que lindo!!!!

Mari Romani disse...

Adorei o texto. Não tenho filhos mas espero sentir algo assim um dia. Parabéns pelo moço.

Joaquim Carlos Vieira de Souza disse...

Parabéns Diogo