segunda-feira, maio 28, 2007

Uma placa de proibido na porta.

Hoje eu fiquei pensando…
(Isso, como fato isolado, já é preocupante).
Fiquei pensando em como o amor acontece. E como o amor errado acontece. E se existe amor errado. Como as pessoas conseguem mandar em seus corações? Elas mandam mesmo, ou é só o que elas contam por aí para não ficar feio?
Se elas vivessem numa cidade bem pequena e confessassem uma vez por semana, será que elas contariam para o padre tudo TUDO o que sentem?

Um amigo me disse que as mulheres têm medo dele. Entrei no Orkut dele e avisei por msn: “Não…elas têm medo da sua mulher.”
Ele tem no orkut um depoimento maravilhoso escrito pela mulher, que não só avisa a todas que ele é o máximo, mas também avisa que ELA é o máximo. Ela praticamente foi lá e fez xixi nos cantinhos, como os mamíferos machos fazem para demarcar o território. E pelo que ele diz, acho que deu certo.
Mas aí me pergunto: e se não houvesse essa placa de proibido na porta? Ele não se apaixona por ninguém porque não se apaixona, ou porque ninguém ousa tentar despertá-lo do conforto de seu relacionamento com a moça do xixi nos cantinhos?

Como seria? Será que ele teria tido algum diálogo tórrido por msn? Será que ele teria saído para conhecer alguém para ter um rosto, um cheiro, uma voz, alguma coisa para lembrar fora palavras e fotos? Não sei. Ele também não sabe. Na verdade ninguém sabe se consegue fazer a razão falar mais alto na hora que o corpo inteiro resolve se apaixonar. Há pouquíssimo lugar para atividade cerebral quando a hormonal está gritando.

E de onde vem a desgraça da paixão irracional? Não venha me dizer que a pessoa tem que estar querendo, estar predisposta, ser sacana, mal caráter, etc etc. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. O fato é que basta ser humano para um dia ser balançado – você e tudo o que você pensa, quer, deseja, acredita – por uma paixonite aguda irremediável. Mesmo que num surto de lucidez você consiga dizer “NÃO!” , ela pode acontecer. Acontecer e acabar. Mas pode. Algumas pessoas adoram me dizer que só acontece com quem está aberto a isso, mas eu tenho amigos que estão abertos há 300 anos e nunca sentiram isso. Tenho outros, acima de qualquer suspeita, que já me chamaram num canto para dizer: “Ai. Ferrou! Socorro!”

Alguns cientistas dizem que a paixão é um fenômeno químico. Na verdade uma disfunção química. Mas toda atração não é? Nós temos um desejo incontrolável de acordar e dormir ao lado da pessoa que amamos, e nos casamos até, para ter certeza de ficar ali, naquele calorzinho delicioso, para o resto de nossos dias. E isso se dá por uma cegueira momentânea, que só pode ser uma disfunção química. Uma deliciosa disfunção química que vem sendo responsável pela preservação da nossa espécie pelo decorrer dos séculos. O problema é que não está escrito em nenhum manual que isso só pode acontecer uma vez, e depois é errado ou pecado. Quer dizer…está, mas o manual não garante que só teremos uma disfunção dessas na nossa vida adulta.

Ok. E onde eu quero chegar com tudo isso? Nem quero. Nem sei. Só tenho muita pena. Muita pena das pessoas que pensam que alguém acredita que nunca, nunquinha, nunca mesmo, elas olharam para o lado e pensaram: "ai ai, como eu queria ficar grudado ali para sempre". Ou daquelas que acham que estão pecando, traindo, sendo horríveis. Gente…é só uma disfunçãozinha rápida. Já passa... se você tiver uma placa de proibido muito bem escrita por uma pessoa maravilhosa, pregada bem ali na porta. Senão…ai ai ai!


6 comentários:

Alice Salles... disse...

Acho que a placa de proibido só piora as coisas! Aliás... acho que não tem regra e nunca terá!
Ai, nem sei o que falar por que eu entendo tanto do assunto que não entendo mais! Fez algum sentido!? E esse assunto tem algum sentido!? Besitos

Flavia Melissa disse...

na verdade o que acontece é que, se a paixão durasse mais de seis meses, a gente morreria de gastrite de tanto frio no estômago... de infarto de tanta taquicardia... e psicóticos, de tanta falta de sono!

esta é a explicação de porque a paixão dura pouco!

anyway... tem coisa melhor?

beijos!

Carolina Garofani disse...

acho que pela primeira vez, tenho vontade de por uma placa de proibido na minha própria porta...

mas que sei eu da vida, ainda não passamos dos 6 meses teóricos pelos quais a paixão dura!

Marília disse...

Ai que assunto complicado!!Eu não julgo ninguém, sou aquela amiga que sempre diz: faça o que tem vontade, o que te faz feliz!!
Medaaa da disfunção química!!hahahahaha
Beijoo Meeeee
To com saudades!!!

marcos freitas disse...

acho que são "só" 3 meses (mais que isso dá tilt! e os outros supostos 3 meses são mais... uma espécie de re-adaptação)
...e há uma diferença* bem grande entre a disfunção cooperativa e a disfunção "detached"!!!
*de intensidade e de duração, sendo uma inversamente proporcional à outra. ...a versão detached, ainda que possa ser forte, enormemente forte até e, ainda que possa mesmo durar beeeem mais... não chega nem aos pés da versão cooperativa verdadeira e completa!!!)

...e todo mundo (será? i hope so!) sabe da intensidade da D.C. (aquela que faz perder 12 quilos no primeiro mês ahahaha, esquecer do resto do mundo, "perder" coisas outrora "tão" importantes, até o instinto de preservação, o senso de responsabilidades civis, ...é aquela que dá taquicardia, sudorese, calafrios, dilatação das pupilas, desejos irrefreáveis, etc, etc, etc, et al...) ...e depois se percebe que é quase pra comemorar quando a vida pode "voltar ao estado normal" e que aquela louca disfunção/relação pode migrar para o estado de nAMORo ou de amizade (ainda que ainda com benefícios) ...até o próximo "ataque"!!!

obs.: alguns estudos empíricos me comprovaram a possibilidade de a disfunção ocorrer mais de uma vez em relação à uma mesma pessoa, por ex. quando há alguma grande mudança extraordinária no "status" em um relacionamento... tipo: namoro que vira casamento, ou numa gravidez, ou ao reatar um relacionamento que esteve "estacionado", etc, etc, etc... enfim, FELIZMENTE não é como catapora ou outras doenças que causam imunidade, ahahahaha thanks heaven!!!

putz!!! post'n'post again heheheh

marcos freitas disse...

aaah! adorei a placa!
AHAHAHAHAHAHA