quarta-feira, outubro 25, 2006

So back home

flag

Good morning, sunshine!

Mais ou menos morning, porque eu só consegui sair da cama às onze e meia. Não consegui ainda voltar pro fuso. Mas isso não é um problema. Problema é aprender onde estão os acentos no meu teclado novo. hahahah! Se não fosse o PL eu estava perdida!

Well, algumas coisas mudaram drasticamente em mim nos ultimos 20 dias, tanto interna quanto externamente. Coisas das quais eu não tinha conhecimento e que me fazem bem neste momento. Talvez em mais 20 dias elas não façam a menor diferença, mas agora elas latejam dentro de mim. Talvez seja o jetleg. Talvez só cansaço. Mas anyway, são mudanças, e embora mudanças sejam assustadoras, são também extremamente bem vindas nesse meu coraçãozinho que odeia ficar quieto.

1. Descobri que sou paciente. Que tenho calma. Que ando devagar porque já tive pressa...(e toda aquela coisa) Passei 20 dias hospedada na casa da minha amiga em Los Angeles e juro que eu achava que no quinto dia perderia a paciencia e iria pra um hotel. Mas não...descobri que posso me sentar e tentar conhecer mais profundamente as pessoas. E me sentir em casa, e me sentir bem vinda, e fazer parte de alguma coisa que não era minha. Isso me fez muito bem. Eu me diverti, eu aprendi a amar coisas e pessoas que não existiam antes. De uma certa forma e me tornei um pouco mais completa.

2. Se existia uma coisa que me fazia mal e ia contra o que eu sempre acreditei, era o fato de o povo americano ter o Bush como presidente e achar que isso é normal. Eu fiquei extremamente feliz por saber que isso não é verdade: os americanos tem vergonha do Bush. Eles tem vergonha da guerra no Iraque. Eles tem vergonha dos discursos, da política internacional da administração Bush, dele como pessoa, dele como presidente, dele como ser humano. DELE! Os americanos contam os dias para a saída daquele que eles também consideram um risco para o planeta. Voce encontra em lojas, livrarias, lojas de roupas, todos os lugares, coisas que repudiam o presidente. Relógios digitais com contagem regressiva de hoje ao dia em que o país vai estar livre deste idiota. Canecas, calendários, milhares de peças comemorativas do fim da Bush Administration. Isso me fez feliz. Eu sempre considerei a América um lugar para viver. Sempre gostei do respeito às pessoas e à vida humana naquele lugar. Sempre achei que o povo americano é meio bobo porque vive bem, e quem vive bem não precisa pensar muito. Estava decepcionada. Queria ver aquele povo todo gritando alguma coisa outra vez, porque neste momento, eles estão como estavam nos anos 70, durante a guerra no Vietnam. E eu não via nenhum sinal de protesto. Na melhor das hipóteses, estava achando que meus amigos - que eu sempre julguei pessoas inteligentes -, tinham se tornado um bando de carneirinhos cegos apoiando um governo estúpido. Mas do carteiro ao general, todos estão revoltados. Isso me deu alívio. Talvez o mundo não esteja ainda fora de controle.

3. Sob o céu que nos protege. Sob a lua que nos ilumina.
Vivi momentos mágicos de contemplação e constatação. A solidão é uma amiga leal. Andar sozinha sob um céu azul de brigadeiro tendo tempo de observar, sentir cheiros, gostos, o vento Santa Ana batendo no rosto, despenteando o cabelo, traz pensamentos novos. Eu tive tempo para olhar a minha própria vida de fora e...céus...como eu recomendo que todo mundo faça isso uma vez ou outra. A minha própria companhia foi fortíssima nestes 20 dias, e eu pude entender um pouco mais quem sou eu, o que eu quero, pra onde eu vou e pra onde não quero ir. Nunca estive tão sozinha nos últimos vinte e cinco anos. Nunca pude me olhar tão profundamente nos olhos também. E gostei do que encontrei...porque eu sou metida mesmo. hahahha. Consegui sentir com todos os órgãos do meu corpo, alma included, tudo o que é relevante e importante para mim. E como resultado dessa semi-análise-forçada, descobri um sorriso novo. Que alívio! Seria ruim demais saber que fiz tudo errado. Mas não...meus erros são positivos. Minha vida está aqui, firme, forte e sorridente...Talvez eu não esteja totalmente fora de controle. ;)

4. Voltei a aprender. Que delícia é estar sentada numa carteira de faculdade outra vez, aprendendo só o que eu quero, bebendo informação. Algumas horas desses workshops e seminários foram mais prazeirosas do que um sunday de chocolate do Mac Donalds escondido dentro do carro as tres horas da tarde! Foi assim, às colheiradas, com direito a pingos de calda no queixo e dedos lambidos que eu ouvi palestras de homens como Oliver Stone (Platoon, U-turn, Natural Born Killers, Heaven & Earth, JFK, Born in the 4th of July, WTC), David Ayer (Dia de Treinamento, Harsh Times, Fast and Furious), William Goldmand (Todos os Homens do Presidente, Butch Cassidy and Sundance Kid), Micheal Arndt (Miss Little Sunshine, Finding Nemo, The Increadibles) , Karl Iglesias, Tom Schlesinger (script consultant do Copolla, Robert Watts --Indiana Jones, Star Wars -- da Miramax, da Columbia), Paul Haggis (Crash e Million Dollar Baby) e muitos muitos outros...pessoas que eu meio que amo, meio que invejo...queria um pedaço do cérebro de cada um deles, queria um cromossomo, um minuto ou uma página ou uma linha de diálogo, ou só sua companhia por algumas horas...e eu tive! Am I blessed or what?

Agora preciso usar tudo isso e não sei por onde começar. Acho que talvez seja bom começar matando a saudade, depois voltando pro fuso, depois comendo alguma coisa que eu realmente goste (porque tava punk) e depois sentar para escrever. Será? Será que essa coisa que eu gosto de fazer brincando vai finalmente virar uma carreira? I wish. Do I?


Bom dia crianças. I'm off to life!

12 comentários:

Fastolf.b disse...

Que bom, que bom!!!!
Bom que está devolta, bom que estáfeliz!
Uma ida à California sempre (sempre!) faz bem...
E eu acho, sim, que a brincadeira deve virar carreira. E na melhor fase, que é a de fazer por prazer e não fazer por dever.
Nosso cérebro sempre foi nosso melhor brinquedo.
beijoo

Mercedes Gameiro disse...

Yeah! Don't push me! hahahahhaha

Rodrigo. disse...

É tão bom fazer o que se gosta, não é?
É tão bom descansar a cabeça fechar os olhos e pensar "Puta, como eu tenho sorte"
Isso me faz sentir um deserto em um grão de areia(sic)
Maravilhoso Mê!!!

marcos freitas disse...

YEAH, YEAH, YEAH!!!!
YOU MUST!!!!! DO IT!!!!
AS YOU WISH!!!
AS WE ALL, AS WELL

WELCOMEBACKDEAR!!!


missya
luvya
kisses
m.

p.s. i think we can stand to "loose" you to hollywood!!! AHAHAHHAHAHA ...specially if you overtake them all and become a SUPERSTARWRITER (or whatever you want or wish) ...as you deserve!!!)

Rafa Ela disse...

Mê!!!
Que bom tudo isso!
Que delícia! Acho assim, de cara, o texto tá uma delícia. Isso já é um bom começo! Pelo menos para nós...
Saudades, e diz aí: Qdo vc vem pra Curitiba? Mini convescote chamando!!!

bj

Mercedes Gameiro disse...

ATENÇÃO FELIPE IUBEL:

Eu sei que último tem acento. Eu sei que você tem acento. Eu sei que palavrinhas tem acento e quais não tem. Mas meu computador é novinho novinho...e tem um teclado todo diferentinho...e eu me bato! E não estou com vontade de me preocupar com esses acentos que TODO MUNDO SABE QUE EXISTEM.

Então: pra quem acha que é possível que eu não saiba que essas palavras têm acento: TE ENXERGA!
Pro Felipe: TE OCUPA!

hahahahha!

Beijocas

Anônimo disse...

Cidão!

eu to sabendo!

saudades desse tempo em que as coisas nao me deixavam entrar na internet essa hora.

veja hj é o primeiro dia depois de meses...

tá uma coisa...

bjucassss

Paola Zadra disse...

Lindona,

Como sempre, um texto delicioso!

Adoro saber que vc está bem, feliz e fez grandes descobertas de vc mesma.
As vezes a gente não vê, não enxerga ou nem sabemos que precisamos nos descobrir.

Acho que estamos em sintonia... Descobri que as vezes é semplesmente maravilhoso ficar e estar sozinha.

Ouvimos nossos sentimentos e pensamentos e enxergamos nossas atitudes de uma outra perspectiva, profundidade e consciência.

Isso significa que estamos vivos!


Inevitavelmente estamos expostos aos sentimentos difíceis: saudade, tristeza, desespero, sensação de abandono, ciúme, insegurança, ansiedade, solidão, etc.; assim como também estamos sujeitos às maravilhosas surpresas da vida, à possibilidade de superar os momentos mais dolorosos e a experimentar ocasiões imperdíveis.


Esses seus 20 dias em LA, foram uma exploração... de aprendizagem, entendimento,descobrimento e realização!

Yes, you are blessed!!!

E concordo com o Di - "que a brincadeira deve virar carreira. E na melhor fase, que é a de fazer por prazer e não fazer por dever."


E como disse o "meu ídolo", a Mercedes escreve-muito-bem-desde-sempre!!!


Hurry up! We are all waitting for the "SUPERSTARWRITER"!!!

LOVE YOU!!!

Paola Zadra disse...

(Li e lembrei de vc!!! rs rs rs)


MÃOS A OBRA

Escrevo com três mãos.

É um trabalho complicado.

Às vezes, pareço um polvo sentado

a especular.



Escrevo com três mãos.

Por isto, minha escrita

é um gesto

- tentacular.


(Affonso Romano de Sant'Anna)

Ester disse...

Olá,

Seu blog foi muito recomendado hj. Resolvi comentar neste texto, pq foi o que mais me chamou atenção, apesar, de todos serem muito bons.

Realmente a solidão é uma amiga leal. Até vivi uma experiência muito parecida.

Durante uma viagem em uma noite de insônia, percebi que tinha uma visão completamente deturpada da minha vida.

Enquanto pensava eu exerguei tudo a minha volta.

Como vc escreveu, eu senti neste momento, "o que eu quero, pra onde eu vou e pra onde não quero ir".

A partir desse dia, tornei-me uma pessoa estupidamente feliz, mais completa e mais calma.

Texto maravilhoso. Uma perfeita história de vida aqui presente.

Lili disse...

Se existe algo dentro de vc que diz "vá de mansinho", não acredite.

Vá com tudo!

Texto brilhante. Todos.

Tenho certeza que será a nova "SUPERSTARWRITER".

Prazer em conhecer este espaço!

thiagota0 disse...

Não imagino vc off!!!
A não ser vez em quando no msn!

:P


Ps: isso foi uma piada... e boba!